Última hora
This content is not available in your region

Brasil faz maior venda de sempre de ativos petrolíferos

Brasil faz maior venda de sempre de ativos petrolíferos
Tamanho do texto Aa Aa

O Brasil é palco, esta quarta-feira, daquele que pode ser o maior leilão de explorações petrolíferas da história. O Estado brasileiro vende explorações em quatro áreas de águas profundas, conhecidas como reservas de cessão onerosa. Trata-se de zonas onde há já plataformas desenvolvidas e que produzem petróleo.

Neste momento, a petrolífera estatal brasileira Petrobrás é a única a explorar aqui petróleo. O governo de Brasília quer alargar a concessão a outras empresas, mas a Petrobrás já anunciou que vai entrar no leilão para ganhar, sobretudo no que toca à exploração de Búzios, na zona do Rio de Janeiro. A Petrobrás está a produzir, só em Búzios, 420 mil barris por dia e conta ficar, sozinha ou com parceiros, com pelo menos 30% da exploração.

A americana Exxon-Mobil e a holandesa Royal Dutch Shell estão na corrida, a francesa Total e a britânica BP já anunciaram que não entram.

Entre os detratores deste negócio está a ex-presidente Dilma Rousseff, que disse que esta privatização significa estar a vender o país.

Leilão vale 24 mil milhões

Este leilão deve render aos cofres brasileiros, só em taxas de licenciamento, 106 mil milhões de reais, o equivalente a 24 mil milhões de euros, mais do que foi arrecadado desde que o monopólio estatal de petróleo acabou, há cerca de 20 anos.

Numa altura em que o Brasil está a sofrer uma maré negra no nordeste e sem haver conclusões sobre a origem, o leilão das explorações petrolíferas deu azo a novas manifestações. Junto ao Cristo Redentor e à porta da Agência Nacional do Petróleo, no Rio de Janeiro, os manifestantes pediram um mar livre de explorações petrolíferas. Consideram que algumas das instalações à venda no leilão apresentam um alto risco de acidente.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.