EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Julgamento do partido neonazi grego Aurora Dourada entra na reta final

Julgamento do partido neonazi grego Aurora Dourada entra na reta final
Direitos de autor REUTERS/Michalis Karagiannis
Direitos de autor REUTERS/Michalis Karagiannis
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O líder e fundador, Nikos Michaloliakos, testemunha pela primeira vez. É acusado de "formação de organização criminosa" e "instigação moral" na morte do músico Pavlos Fyssas.

PUBLICIDADE

A ascensão e, para alguns, a queda da formação de extrema-direita está intimamente ligada a um processo de assassinato que atinge um momento chave.

O processo começou em abril de 2015. O líder e fundador do Aurora Dourada, Nikos Michaloliakos, testemunha pela primeira vez. É acusado de "formação de organização criminosa" e "instigação moral" na morte do músico antifascista Pavlos Fyssas.

O rapper de 34 anos, um crítico declarado deste partido terá sido esfaqueado numa emboscada realizada por dezenas de membros do Aurora Dourada, em 2013, perto de Atenas.

O líder do partido neonazi, que foi um próximo do ditador Georges Papadopoulos, sempre apelidou o julgamento de "conspiração política".

No julgamento, que deve estar concluído no início de 2020, quase 70 membros ou ex-membros da formação de extrema-direita sentam-se no banco dos réus. A maioria declara-se inocente. Podem enfrentar sentenças que variam de 5 e 20 anos de prisão.

Em 2012-2013, esquadrões do Aurora Dourada vagueavam pelas ruas, atacavam migrantes e oponentes políticos.

Durante anos, o seu principal slogan era "Sangue, Honra, Aurora Dourada", dando eco ao mote "Sangue e Honra", em tempos usado pela Juventude Hitleriana.

No auge da popularidade em 2015, o Aurora Dourada chegou a ser o terceiro partido mais forte da Grécia.

Aproveitando o descontentamento generalizado com o programa de austeridade imposto pela Troika, o grupo conquistou 18 dos 300 assentos parlamentares. Mas, com o líder detido, a popularidade diminuiu.

Michaloliakos nega que o assassinato de Fyssas tenha sido realizado com o seu conhecimento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Christiania, em Copenhaga, quer renascer sem haxixe

Reféns em discoteca neerlandesa libertados. Suspeito detido pela polícia