Última hora

Protestos no Irão preocupam "profundamente" ONU

Protestos no Irão preocupam "profundamente" ONU
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dezenas de pessoas podem ter sido mortas no Irão durante os protestos que foram desencadeados pelo aumento do preço da gasolina e pela imposição de racionamento de combustível.

A televisão estatal iraniana divulgou novas imagens do rescaldo das manifestações. O Governo identificou os manifestantes como "amotinados".

Certo é que pelo menos cinco pessoas morreram.

Mas o nível de contestação que se vive no país não está claro. Teerão bloqueou a Internet, dificultando a comunicação dos iranianos com o resto do mundo.

Os protestos eclodiram na sexta-feira depois do Governo anunciar um aumento de 50% no preço da gasolina.

Num país já muito fragilizado pelas sanções dos EUA, a medida foi recebida com raiva generalizada.

No domingo, os protestos atingiram cerca de 100 cidades.

"Segundo relatos confiáveis que recebemos, em menos de três dias, desde a última sexta-feira, pelo menos 106 manifestantes foram mortos em 21 cidades em todo o país. Também há testemunhos, corroborados por imagens de vídeo, de que atiradores de elite, posicionados em telhados e em helicópteros, estão a disparar contra as multidões," revelou a especialista em direitos humanos e Irão na Amnistia Internacional, Raha Behreini.

A situação é motivo de grande preocupação na ONU.

"Estamos profundamente preocupados com as violações de normas e padrões internacionais sobre o uso da força. Não sabemos a extensão dos assassinatos, dos ferimentos, mas é claramente muito sério," afirmou o porta-voz do Alto Comissariado para os Direitos Humanos (OHCHR) na ONU.

Entretanto, a TV estatal iraniana mostrou milhares pessoas marchando em apoio ao Governo, desejando a morte daqueles que se opõem aos líderes supremos e acusando os manifestantes de serem apoiados pelos EUA.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.