Última hora

Sete homens condenados pela morte da ativista ambiental Berta Cáceres

Sete homens condenados pela morte da ativista ambiental Berta Cáceres
Direitos de autor
REUTERS/Jorge Cabrera
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Nas Honduras, sete homens foram condenados pelo homicídio de Berta Cáceres, uma ativista ambiental assassinada em 2016.

O tribunal condenou cinco dos homens a 50 anos de prisão, e outros dois a 30 anos. Os sete homens tem agora 20 dias para recorrer à setença, segundo a lei das Honduras.

"O rio é como sangue que corre nas veias deles. É injusto. Não é apenas injusto, é um crime atacar um rio que tem vida, que tem espíritos"
Berta Cáceres
Ativista ambiental morta em 2016

À porta do tribunal, a filha de Berta, Olivia Zuniga, disse aos jornalistas que o "caminho pela justiça não termina aqui", e que a "impunidade não se vai romper com uma sentença".

Berta Cáceres, ativista ambiental desde o início da década de 90, ficou conhecida no país depois de motivar a interrupção de um projeto para a construção de uma central hidrolétrica, em 2006. Alegou que a construção da central causaria perturbações no abastecimento de águas, na produção de alimentos e influenciaria a vida das comunidades indígenas, as quais não foram consultadas pela empresa que criou o projeto.

"O rio é como sangue que corre nas veias deles. É injusto. Não é apenas injusto, é um crime atacar um rio que tem vida, que tem espíritos", disse Cáceres, sobre o projeto da central.

Berta Cáceres foi morta a tiro, na própria casa, na cidade de La Esperanza, em 2016.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.