Última hora
This content is not available in your region

"Foie gras" alternativo

euronews_icons_loading
"Foie gras" alternativo
Tamanho do texto Aa Aa

A alimentação forçada de gansos e patos para engordar o fígado, e produzir a famosa iguaria francesa "foie gras" tem sido fortemente contestada pelos defensores dos direitos dos animais.

Mas isso, pode ter os dias contados.

Uma equipa de investigadores de Toulouse, em França, descobriu uma forma mais natural para produzir a iguaria.

"No outono, os gansos e os patos devem migrar ao longo de milhares de quilómetros. Eles alimentam-se espontaneamente, comendo muito e acumulando esta energia armazenada no corpo. Este processo é realmente conduzido por bactérias intestinais, pela flora intestinal. Descobrimos que é a combinação de certas bactérias, estas combinações são capazes de desencadear, nos gansos bebés, a programação natural e o crescimento completamente biológico da gordura no fígado, a que chamamos 'foie gras' naturalmente gordo, porque o ganso não é alimentado à força", afirma o cientista da empresa Aviwell, Remy Burcelin.

Os investigadores necessitaram de vários anos para desenvolver a fórmula ideal da combinação de bactérias na flora intestinal de um ganso que desencadeia o armazenamento natural de gordura no fígado.

Apesar deste método natural ter uma produção mais baixa do que a tradicional, com a alimentação forçada, os chefs franceses parecem estar já rendidos, como evidencia o chef Simon Carlier:

"No início, achei este 'foie gras' naturalmente gordo parecido com o 'foie gras' normal, mas quando se trabalha com ele, é completamente diferente. É um produto que é firme, tem uma cor muito bonita, e é um produto que quero levar ao seu estado mais natural, porque tem uma densidade agradável, um sabor muito subtil e, acima de tudo, tem uma textura notável."

Apesar de ser um "foie gras" mais natural é, também, mais caro. O "foie gras" tradicional de elevada qualidade custa entre 300 e 400 euros por quilo, o novo "foie gras" pode rondar os 1000 euros.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.