Última hora
This content is not available in your region

Macau comemora "regresso à pátria"

Xi Jinping à chegada a Macau
Xi Jinping à chegada a Macau   -  
Direitos de autor
ASSOCIATED PRESS - Str
Tamanho do texto Aa Aa

Macau prepara-se para comemorar ao mais alto nível os 20 anos da transferência de poderes de Portugal para a China. Para Pequim, o dia 20 de dezembro de 1999 marcou o "regresso do território à pátria".

Em tempos de plena convulsão no vizinho Hong Kong, o presidente chinês tenta puxar o holofote para Macau, apresentando-o como caso de sucesso. Nas palavras de João Francisco Pinto, jornalista e atual diretor da TDM (Teledifusão de Macau, a televisão pública do território), "Macau tem sido apresentado, especialmente nos últimos meses, como um exemplo claro do princípio 'um país, dois sistemas' e da viabilidade desse princípio".

O jornalista, residente em Macau, acrescenta que esta vontade de Pequim "tem sido flagrante em todas as declarações que têm surgido ao mais alto nível. A visita do Presidente Xi Jinping representa precisamente o culminar desse discurso".

"O Presidente Xi Jinping irá apresentar um projecto de transformação de Macau de uma cidade basicamente turística num centro financeiro internacional e portanto isto é quase visto como um prémio, porque as coisas têm funcionado pelo menos na avaliação do governo central chinês," afirma João Francisco Pinto.

Seis jornalistas de Hong Kong foram impedidos de entrar em Macau. A mesma coisa com elementos do movimento pró-democracia. A segurança foi apertada em todas as fronteiras.

O sinal de partida para as comemorações foi dado esta quarta-feira.

O presidente português enviou uma mensagem ao homologo chinês. Marcelo rebelo de Sousa diz estar certo que Macau "continuará a ser um exemplo de convivência singular" entre Portugal e China.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.