Última hora
This content is not available in your region

"Macau pode ser um polo de desenvolvimento dos nossos interesses"

"Macau pode ser um polo de desenvolvimento dos nossos interesses"
Direitos de autor
Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved - Carol Mang
Tamanho do texto Aa Aa

A 20 de dezembro de 1999, Macau deixava de ser um território sob administração portuguesa e passava definitivamente para as mãos da China. A entrega foi feita depois de muitas negociações entre os dois países e da garantia de que, tal como Hong Kong, Macau ficaria sujeito a um regime especial e ao princípio "um país, dois sistemas".

20 anos depois, o balanço

Vasco Rocha Vieira, general português, foi o último governador do território. Em entrevista à Agência Lusa, fala sobre o papel de Macau nas relações político-económicas que ainda hoje se desenvolvem entre Portugal e China.

"Passados 20 anos para mim aquilo que é mais importante é ver que há uma continuidade, acho que deixámos boas condições, do ponto de vista dos equipamentos, das estruturas, do ambiente, da identidade de Macau, que é um fator fundamental para a sobrevivência de Macau", revela.

Enquanto governou Macau, Portugal teve de fazer o equilíbrio entre duas culturas distintas, mas que nunca entraram em confronto.

Para Vasco Rocha Vieira, *essa diferença pode ser assumida num aspeto de complementaridade, ou de antagonismo, e, em Macau, sempre houve complementaridade. O que aconteceu sempre ao longo da História, foi que Macau e a China encontram sempre soluções, o que, no fundo convinha às duas partes", negociações essas que "foram negociadas através de um entendimento que se prolongou. De tal maneira, que, hoje, as relações de Portugal com a China são muito fruto dessa presença de Portugal durante séculos em Macau".

A relação é hoje particularmente estreita, na política e nos negócios. De acordo com o antigo governador de Macau, não há dúvida de que Portugal está entre os parceiros privilegiados daquela que é uma das maiores economias do mundo.

"A China tem hoje - até por iniciativa própria - relações com Portugal que, posso dizer, não tem com mais ninguém. Tem uma parceria estratégica com Portugal que tem com poucos países, criou o Fórum da Cooperação Económica e Comercial com os países de língua portuguesa e estabeleceu-o em Macau. Macau tem essa vocação histórica que nós, durante o processo de transição, acentuámos, adaptando aos tempos modernos e à grande evolução da China, à modernização, e Macau ficou apto a desempenhar esse papel".

Hoje, as relações de Portugal com a China são muito fruto dessa presença de Portugal durante séculos em Macau
Vasco Rocha Vieira
Antigo governador de Macau

África é um continente no qual a China está a investir em força e os PALOP, como Angola, ou Moçambique, não são exceção. Também aqui Portugal tem uma palavra a dizer.

"A China vai para África, não porque tenha tido relações com Portugal em Macau. Ao interessar-se por ir para esses países, acha que Portugal podia ser um bom parceiro. Porque a China, quando vai pelo mundo, vai descobrir sinais do que os portugueses deixaram e de que foram capazes de lidar com povos e culturas muito diferentes, que o fizeram construindo nações, que acabaram esse processo e continuaram a ter laços de amizade. E isso é muito importante para a China ter uma perceção de como deve atuar e se deve relacionar com outros povos, portanto, tem interesse na experiência que nós lhe podemos dar, uma experiência que pouco povos têm".

E como garantir que a cultura lusófona e portuguesa se mantém viva em Macau? A implantação da língua portuguesa é pouca, mas, para Rocha Vieira, esse não é o aspeto mais importante.

"Não se pode pôr as pessoas todas a falar português de um momento para o outro, é muito mais importante que a legislação e os códigos de matriz ocidental e matriz portuguesa e que o tipo de vida e de valores e garantias ligadas ao ocidente e a Portugal, façam Macau continuar a distinguir-se do resto da China e a língua possa vir - ou não - atrás. O que interessa mais, face à situação que se vivia, é que a identidade de Macau esteja ancorada aos valores e à cultura dos princípios ocidentais nomeadamente dos portugueses. Portanto, Macau pode ser um polo de desenvolvimento dos nossos interesses naquela zona. É pena que , pro exemplo, a TAP não voe para lá, deixou de voar. É pena que não tenhamos aproveitado e que tivesse havido algum vazio entre o fim do processo de transição e a nossa perceção da importância que Macau tinha".

Vasco Rocha Vieira acredita que a presença portuguesa em Macau continua viva, o que se deve não só ao enraizamento da comunidade portuguesa e dos macaenses lusodescendentes, mas também a uma nova vaga de migrantes que partiu para o território há pouco tempo, à procura de novas oportunidades.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.