Última hora
This content is not available in your region

A vida depois dos campos de reeducação chineses

A vida depois dos campos de reeducação chineses
Direitos de autor
DKTV2
Tamanho do texto Aa Aa

Na região chinesa de Xinjiang, cerca de um milhão de uigures estão presos nos chamados "campos de reeducação".

Em novembro, meios de comunicação social revelaram documentos secretos sobre a perseguição e vigilância de que a minoria étnico-religiosa é alvo nesses espaços controlados pelo governo chinês.

Sayragul Sauytbay foi prisioneira num desses campos. Há um ano e meio, conseguiu fugir e recebeu asilo na Suécia. Professora de profissão, é uma das poucas pessoas que escapou à tortura e capaz de contar a experiência.

"Os guardas chineses começaram alternadamente a violar uma mulher à nossa frente. Custa-me muito falar sobre isto, porque me magoa muito. Ficámos ali como mortas-vivas simplesmente a ver", revela emocionada.

Sauytbay compara os campos de reeducação chinesa em Xinjiang aos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial.

"A única coisa em que conseguíamos pensar era se iríamos estar vivas no dia seguinte", afirma. "Levaram-me para dentro e espancaram-me com bastões elétricos. Entre os instrumentos de tortura, o que me assustava mais eram os que se pareciam com espetos de agulhas"

O governo chinês acusa os grupos uigures muçulmanos de separatismo e terrorismo. Sobre os campos de reeducação, Pequim diz serem centros de treino vocacional onde os uigures estão de forma voluntária.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.