Trump: "Soleimani devia ter sido abatido há muitos anos"

Trump: "Soleimani devia ter sido abatido há muitos anos"
Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente americano escreveu no Twitter que Soleimani "é responsável pela morte de milhões de pessoas". França e Alemanha apelam à contenção.

PUBLICIDADE

O presidente americano escreveu no Twitter que Soleimani "é responsável pela morte de milhões de pessoas" e que já "devia ter sido abatido" há muito tempo. Israel veio prontamente apoiar a decisão de Trump. França e Alemanha apelam à contenção.

Como não podia deixar de ser, o que sabemos da reação de Donald Trump, sabemo-lo através do Twitter. Numa série de publicações, o presidente americano escreveu que "o General Qassem Soleimani matou ou feriu milhares de americanos" e "foi direta e indiretamente responsável pela morte de milhões de pessoas, incluindo manifestantes no Irão. Mesmo que o Irão não o admita, Soleimani era odiado no país". E termina: "Devia ter sido abatido há muitos anos".

Um discurso muito idêntico ao do primeiro-ministro israelita. "Qassem Soleimani é responsável pela morte de cidadãos americanos e de muitas outras pessoas inocentes. Ele estava a planear mais ataques. O presidente Trump tem todo o mérito por agir rapidamente e de forma decisiva", declarou Benjamin Netanyahu.

No Líbano, o líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah, deixou bastante claro que o grupo xiita pretende continuar o caminho de Soleimani e garantiu: "os assassinos criminosos" do general iraniano terão "o castigo certo".

Da Europa chega a posição do governo francês, com apelos à moderação. "Sim, acordámos num mundo mais perigoso. A escalada militar é sempre perigosa. É perigosa em todas as frentes. Por isso é que França procura sempre condições para a estabilidade e vai continuar a fazê-lo", afirmou Amélie de Montchalin, secretária de Estado dos Assuntos Europeus.

A Alemanha apontou responsabilidades mas também falou em mitigar o contexto. Segundo Ulrike Demmer, vice-porta-voz do governo, "a ação americana é uma reação a uma série de provocações da responsabilidade do Irão. Estamos num patamar perigoso nesta escalada. Cabe-nos a nós ajudar a acalmar a situação, com prudência e contenção."

Os soldados alemães que estão ainda no Iraque, onde dão formação aos militares locais, receberam ordens para não saírem das bases onde se encontram.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Intervenção dos EUA no Iraque pode comprometer aliança contra o DAESH

Dezenas de mortos em procissão fúnebre na cidade natal de Soleimani

Principal suspeito do rapto de Madeleine McCann volta a tribunal na Alemanha