EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

O "elefante" dentro da nova coligação de Governo

O "elefante" dentro da nova coligação de Governo
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Politólogo Francisco Delgado traça à Euronews um cenário de governação complexa em Espanha devido aos acordos de PSOE e Podemos para garantirem a investidura

PUBLICIDADE

A proposta de Governo aprovada por dois votos apenas e 18 abstenções no Parlamento junta pela primeira vez na atual democracia espanhola um executivo de coligação. Apesar da junção inédita nesta era de dois partidos, a governação carrega um enorme ponto de interrogação.

O líder socialista Pedro Sánchez foi investido como primeiro-ministro para formar um executivo e terá como número dois Pablo Iglesias, o secretário-geral do Unidas Podemos.

Será uma coligação de esquerda, com pelo menos cinco ministros da atual quarta força política no país, para quem não será fácil governar, como antevê à Euronews o politólogo Francisco Delgado.

"Acredito que legislatura que começa vai ser difícil e complexa. Vai ser determinada sobretudo pela debilidade parlamentar com que nasce este governo. De facto, não ter garantida uma maioria estável para enfrentar os desafios legislativos vai obrigar a uma estratégia de alianças e de geometria parlamentar variável. Isto vai dificultar o desenvolvimento de reformas profundas durante a legislatura", considerou o analista político espanhol.

O problema de Sánchez e Iglesias não emana apenas da pluralidade dos atuais apoios, mas também da pressão que pode vir a ter dos partidos separatistas de quem garantiu a abstenção decisiva para conseguir a investidura. Foi-lhes prometido diálogo, mas certamente serão maiores do que mera conversa as expectativas do Esquerda Republicana da Catalunha e do Euskal Herria Bildu, do País Basco.

"A legislatura nasce com o 'elefante' catalão dentro de casa. As diversas ações políticas de superação da via judicial vão marcar o futuro e o horizonte temporal do desenvolvimento desta legislatura", perspetiva Francisco Delgado.

O politólogo levanta também questões à eficiência do tom extremamente duro adotada pelas forças de direita no hemiciclo.

"Seria mais conveniente baixar o tom discursivo hiperbólico que a direita tem vindo a usar e adotar umas posições mais centradas, mais construtivas e sobretudo propositivas do que continuar a lançar acusações relativas a questões como a legitimidade de um governo que evidentemente conta com todas as garantias democráticas", sugere Delgado.

Pedro Sánchez tem, à partida, quatro anos pela frente para tentar conciliar os apoios conseguidos para esta investidura.

A capacidade deste Governo de esquerda vai ser posta à prova já nos próximos meses quando começar a respeitar o compromisso de se sentar à mesa com os partidos separatistas da Catalunha e do País Basco.

Os 167 votos garantidos no processo de investidura poderão não ser suficientes, num universo de 350 deputados, para conseguir levar Espanha a sair do impasse político dos últimos anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pedro Sánchez investido para liderar governo de coligação de esquerda

Pedro Sánchez chumba na primeira votação para ser primeiro-ministro

Governo de Sánchez e Iglesias recebe luz verde para tomar posse