Última hora
This content is not available in your region

Pedro Sánchez investido para liderar governo de coligação de esquerda

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques com EFE
euronews_icons_loading
Pedro Sanchez (PSOE) e Pablo Iglesias (UP) no Parlamento espanhol
Pedro Sanchez (PSOE) e Pablo Iglesias (UP) no Parlamento espanhol   -   Direitos de autor  AP/ Manu Fernandez
Tamanho do texto Aa Aa

Pedro Sánchez é finalmente investido pelo Parlamento como chefe do governo de Espanha e vai poder formar o primeiro executivo de coligação desde que a atual democracia se instalou no país.

A proposta do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), em coligação com o Unidas Podemos (UP), de pablo Iglésias, conseguiu a maioria simples necessária na segunda votação realizada esta terça-feira.

Depois de ter ficado aquém da maioria absoluta entre os 350 deputados do hemiciclo espanhol, que era necessária na primeira votação, realizada no sábado, agora bastou a mesma votação de há três dias mais um voto favorável da deputada do UP que tinha estado ausente para desbloquear o impasse político em Espanha.

A coligação PSOE/UP somou desta feita 167 votos contra 166 e ainda beneficiou das mesmas 18 abstenções negociadas com partidos independentistas Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) e Euskal Herria (EH) Bildu, do País Basco, para alcançar a aprovação parlamentar.

O resultado põe fim a um longo impasse político em Espanha, onde só este ano os eleitores foram chamados às urnas duas vezes, mas a instabilidade pode não estar resolvida.

A investidura foi negociada com promessas de diálogo e concessões a pequenos partidos, nomeadamente aos dois independentistas que se abstiveram, mas o sucesso da governação irá estar também dependente do que esses acordos representarem no hemiciclo.

A julgar pela votação, foram apenas dois votos a desequilibrar a balança e isso pode não ser suficiente para segurar as propostas que o novo executivo irá apresentar a votação ao hemiciclo.

Para se ter uma ideia da diversidade de opinião no Parlamento espanhol, a investidura necesitou dos votos favoráveis de sete partidos, incluindo os que formam a coligação. A favor jogou ainda a abstenção de dois outros partidos, enquanto contra estiveram novas forças políticas.

Será preciso muita capacidade diálogo e flexibilidade da coligação para manter o contentamento de uma maioria simples na execução da governação.

Finalmente, investido!

Para o líder do PSOE é o regresso ao palácio La Moncloa, mas desta feita através de uma investidura parlamentar.

Em junho de 2018, Pedro Sanchez instalou-se na residência oficial do chefe de governo após a moção de censura que destituiu o antecessor, Mariano Rajoy, do Partido Popular (PP).

Em fevereiro de 2019, a ERC contribuiu para o chumbo do Orçamento de Estado proposto pelo executivo de Sanchez e o líder do PSOE viu-se obrigado a convocar eleições antecipadas para abril.

A chamada às urnas não resolveu o impasse e a nota de maior destaque foi a entrada em força do VOX, uma nova força política de extrema-direita, no hemiciclo parlamentar.

Sem acordo para formar um governo estável e apesar da saturação evidente entre o eleitorado, o sufrágio espanhol teve de ser repetido em novembro e desta feita com "fumo branco" a sair das conversações que se seguiram entre Sanchez e Iglesias.

O PSOE e UP foram, respetivamente, o primeiro e o quarto partidos mais votados. Mesmo com ligeiras perdas face ao escrutínio de abril, os dois ainda conseguem somar 155 deputados no hemiciclo.

A coligação precisa, por isso, de mais apoio para governar entre os 350 parlamentares que compõem o congresso espanhol tal como precisou agora para ser investida.

"Com o Governo da coligação Progressista, Espnha abre uma época para reivindicar o diálogo e a política útil. Um Governo para todas e todos que amplie direitos, restaure a convivência e defenda a justiça social", escreveu Pedro Sanchez nas redes sociais, garantindo que esta terça-feira, em Espanha, nasceu "uma era de moderação, progresso e esperança."

À mesma hora, o secretário-geral do UP também partilhou uma mensagem com um alvo bem definido: "o novo Governo vai defender as condições que tornam possível a liberdade de todos e de todas frernte a esta direita autoritria e retrógada".

"Porque não há liberdade se no se chega ao fim do mês", conclui Pablo Iglésias.

Do lado da maior força da oposição (88 deputados), o presidente do Partido Popular acusa Pedro Sanchez de concordado "em permanecer no governo" com o "custo de transboradr o sistema contitucional". "Não, porque não funciona, mas porque funciona e muito bem contra os parceiros que traíram sistematicamente", acrescentou.

"O PP, com uma oposição firme e responsável, não o permitirá", garantiu Pablo Casado.

O VOX, a atual terceira força política em Espanha, com 28 deputados, reagiu à investidura com mais um ataque à política migratória seguida nas últimas décadas pelos sucessivos governos.

Outras fontes • El País