EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Isabel dos Santos poderá candidatar-se à presidência

 Isabel dos Santos poderá candidatar-se à presidência
Direitos de autor RTP
Direitos de autor RTP
De  Nara Madeira com RTP/LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em entrevista à RTP a filha do antigo presidente angolano, José Eduardo dos Santos, afirmou não excluir eventual candidatura à presidência angolana.

PUBLICIDADE

Isabel dos Santos, uma das mulheres mais influentes e ricas de África, voltou a negar as acusações de que é alvo, desta vez numa entrevista ao canal público de televisão português, RTP. A empresária está acusada de ter lesado o Estado angolano, em mais de mil milhões de dólares, e viu mesmo os seus bens serem penhorados por um tribunal de Luanda.

Isabel dos Santos mantém a posição de que se trata de perseguição política e questionada sobre uma possível candidatura às presidenciais, a filha do antigo presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, deixou a porta aberta. À pergunta sobre se ponderaria ser candidata presidencial num determinado momento afirmou: "é possível"

A guerra, entre Isabel dos Santos e João Lourenço está aberta. A empresária e sobre uma das principais bandeiras do presidente, o combate à corrupção, diz que "não há vontade de lutar contra" este problema.

Em Moçambique, para a tomada de posse do seu homólogo Filipe Nyusi, que decorreu na quarta-feira, encontraram-se os presidentes de Portugal e Angola. João Lourenço e Marcelo Rebelo de Sousa conversaram durante uma hora mas nenhum quis comentar esta questão. O chefe de Estado luso disse mesmo que ela não foi sequer abordada.

Editor de vídeo • Nara Madeira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Luanda Leaks": Portugal e Angola "cooperam a alto nível"

Isabel dos Santos terá de abdicar da cidadania russa para ser Presidente

Cimeira da SADC: João Lourenço pede contribuições para o "reforço da integração regional”