EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ilhas gregas fazem 1º protesto desde o início da crise migratória

Ilhas gregas fazem 1º protesto desde o início da crise migratória
Direitos de autor AP Photo/Aggelos Barai
Direitos de autor AP Photo/Aggelos Barai
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Habitantes das cinco ilhas gregas do mar Egeu preparam protesto para esta quarta-feira. O primeiro desde o início da crise migratória.

PUBLICIDADE

Apesar das baixas temperaturas invernais que se fazem sentir o sangue ferve nas ilhas gregas do mar Egeu. Os moradores das cinco ilhas estão a preparar-se para um protesto, esta quarta-feira. O primeiro, desde o início da crise migratória. As manifestações trazem a lume o peso que este desafio trouxe a estas ilhas em 2015:

"O povo do Egeu Setentrional é pacífico. No entanto, pode perder-se o controlo a qualquer momento. Já tivemos alguns desacatos, problemas entre aqueles que são nossos convidados. No outro dia, uma pessoa foi morta e ontem outra foi ferida. Estes constrangimentos, as más condições de vida, à chuva, ao frio, são um desafio para essas pessoas", adianta o governador regional, Kostas Moutzouris.

De acordo com o relatório da Frontex 2019, as chegadas aqui dispararam, numa época em que menos pessoas têm desembarcado em toda a região do Mediterrâneo.

Os requerentes de asilo, nas cinco ilhas, ultrapassam os 42.000. As chegadas são muito maiores do que a velocidade a que se desenrola o processo de recolocação. Em Vathy, Samos, o número de requerentes de asilo é já igual à população, 7.500 moradores.

"Estamos a viver um dia-a-dia invulgar, traga isso o que nos trouxer, porque a população duplicou. Não é uma população comum, são migrantes e refugiados, que também estão a sentir-se presos. Muitos deles estão a mostrar um comportamento antissocial", explica o presidente da câmara de Samos Oriental, Giorgos Stantzos.

Para corrigir um erro, o governo grego repôs o Ministério da Imigração e colocou Notis Mitarakis à frente dele. Mitarakis, um deputado eleito por Chios, tem que convencer os habitantes locais de que a criação de novos centros nas áreas já afetadas é necessária para conseguir descongestionar os já existentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia marítima resgata 47 migrantes ao largo da ilha grega de Lesbos

Pelo menos sete mortos em naufrágio perto de Lesbos

Nova tragédia em dois naufrágios de barcos a caminho da Grécia