Novo executivo não acalma os ânimos nas ruas de Beirute

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
Novo executivo não acalma os ânimos nas ruas de Beirute
Direitos de autor  Screenshot

Decorreu, esta quarta-feira, a primeira reunião do novo governo do Líbano. Depois de um vazio político de três meses o novo primeiro-ministro, Hassan Diab, compromete-se a adotar medidas financeiras e económicas diferentes das adotadas pelos seus antecessores.

No seu primeiro discurso o chefe do executivo afirmou que estão a enfrentar "um desastre" e que é preciso "aliviar o impacto e as repercussões desse desastre nos libaneses".

O novo executivo - que tem um desafio de titãs pela frente: tirar o país da pior crise económica e financeira desde a guerra civil que durou entre 1975-90 - é composto por 20 membros, "tecnocratas independentes", como lhes chamou Diab, e entre eles seis mulheres, na Defesa por exemplo, um número recorde para o Líbano. E com misturas improváveis como a Cultura com a Agricultura.

Mas as promessas do chefe do executivo não acalmaram os ânimos nas ruas. Esta quarta-feira, centenas de pessoas voltaram a manifestar-se. A polícia respondeu com canhões de água. Os manifestantes responsabilizam os partidos políticos pela corrupção generalizada que o país vive.

Os protestos, que começaram em meados de outubro, levaram à demissão do governo do primeiro-ministro Saad Hariri e têm ajudado a cimentar a crise que o país enfrenta.

O presidente do país, Michel Aoun, não esconde a difícil tarefa que o novo governo, politicamente alinhado com o Hezbollah, tem pela frente a de conquistar a confiança dos libaneses.

Nos últimos meses, a crise económica tem vindo a agravar-se. O interregno político piorou a situação e levou a restrições na banca e ao colapso da libra libanesa. A dívida do Líbano excede os 150 por cento do PIB do país.

Editor de vídeo • Nara Madeira