Última hora
This content is not available in your region

Morreram dois passageiros do cruzeiro em quarentena no Japão

euronews_icons_loading
Morreram dois passageiros do cruzeiro em quarentena no Japão
Direitos de autor  (c) Copyright 2020, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten   -   Boris Roessler
Tamanho do texto Aa Aa

Morreram dois dos passageiros a bordo do cruzeiro de quarentena no Japão. As vítimas eram um casal de idosos infetados com o novo coronavírus. Entretanto chegaram de avião a Hong Kong pessoas retidas durante as duas semanas no navio. Mas para a quarentena em terra seguiu apenas quem os testes comprovaram não estar infetado.

Após ter estado no "Diamond Princess", o especialista em doenças infecciosas Kentaro Iwata não poupa críticas a todo o processo de contenção do contágio. Uma situação que descreve como "completamente caótica".

Um dia antes do desembarque, subiu a bordo com uma equipa de assistência médica e deparou-se com um cenário onde alegadamente "não havia distinção entre a zona verde, livre de infeção, e a zona vermelha, potencialmente contaminada pelo vírus".

A estratégia do governo japonês de manter milhares de pessoas num espaço fechado tem sido criticada por alguns especialistas. No entanto, há também quem a defenda. É o caso de Shigeru Sakurai, professor na Universidade Médica de Iwate, no Japão, que afirma que "manter cerca de 3700 passageiros e a tripulação a bordo foi a medida adequada, porque, em terra, não havia uma estação de quarentena tão grande".

Esta quarta-feira, as autoridades confirmaram 79 novos casos do novo coronavírus dentro do cruzeiro, aumentando para 621 o total de infetados no navio.

Governo chinês combate contágio

Já na China, o governo tem-se esforçado em mostrar ao mundo como combate o contágio da doença.

No epicentro da propagação do vírus, em Wuhan, inspetores protegidos por fatos sanitários estão a ir de porta a porta na tentativa de identificar todos os casos.

Enquanto da televisão estatal chegam imagens de 12 novos hospitais para mais de 20 mil pacientes com casos moderados de infeção.