Barco com inteligência artificial vai cruzar o Atlântico

Barco com inteligência artificial vai cruzar o Atlântico
Direitos de autor AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Munido de inteligência artificial, sensores e sem tripulação, um barco vai partir de Inglaterra rumo aos EUA, com o objetivo de conhecer melhor o oceano.

PUBLICIDADE

Uma nova criatura prepara-se para cruzar o Oceano Atlântico. A partir de 6 de setembro, um barco autónomo, equipado com sensores e inteligência artificial, vai ser a primeira embarcação a cruzar os mares entre a Europa e a América, sem recurso a tripulação humana.

Mayflower é o nome do projeto resultante de uma parceria entre a tecnológica IBM e a organização de investigação marítima Promare.

Os testes em mar vão começar em breve e são essenciais para o sucesso do projeto, uma vez que, de acordo como Don Scott, da empresa Mayflower Autonomous Ship, "não é possível simular o mundo real com que nos vamos deparar e ter de gerir no oceano".

Uma travessia à distância de quatro séculos

A 6 de setembro de 1620, o primeiro Mayflower partia para a expedição que viria a marcar a colonização britânica da América. Quatrocentos anos depois, Plymouth, em Inglaterra, volta a estar unida à cidade homónima, nos Estados Unidos da América, por uma travessia semelhante à primeira.

Hoje, como dantes, cinco mil quilómetros separam as duas cidades, mas a distância foi, contudo, encurtada em esforço pelos avanços tecnológicos,

"As mudanças que ocorreram nos últimos quatro séculos, em termos de tecnologia, têm ido no sentido de ver no que é que a tecnologia pode beneficiar os humanos, tornar as coisas que fazem mais seguras, ou facilitar as tarefas que têm para fazer", conta Rob High, diretor do departamento de novas tecnologias da IBM.

Com este regresso ao futuro o objetivo é conhecer no presente os oceanos como nunca antes e perceber quem os habita, como se comportam os mares e até que ponto estão poluídos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inteligência artificial para crianças

Inteligência Artificial: para além dos humanos

UE revela diretrizes para a Inteligência Artificial