Última hora
This content is not available in your region

Europa prepara-se para uma epidemia de coronavírus

euronews_icons_loading
Europa prepara-se para uma epidemia de coronavírus
Direitos de autor  Zoltan Balogh/MTVA via AP
Tamanho do texto Aa Aa

França prepara-se para enfrentar a mesma crise que se vive em Itália. Um pouco por todo o país, os hospitais estão a postos para receber um aumento do número de pacientes infetados pelo coronavírus.

Emmanuel Macron marcou presença serviço nacional de emergência médica (SAMU, Service d'Aide Médicale Urgente), disse que pior ainda está por vir, mas que o país está preparado.

"Estamos no início desta epidemia. Temos de ser muito claros, lúcidos. O ministro (da saúde), e o diretor-geral da Saúde relembram este aspecto constantemente. Estamos organizados, principalmente os nossos serviços de emergência, para enfrentar o início desta crise".
Emmanuel Macron
Presidente de França

A doença obrigou ao encerramento temporário do parlamento espanhol. Uma porta-voz da instituição anunciou a notícia uma semana depois de um deputado ter sido infetado. Como noutros países, o surto em Espanha levou ao encerramento de escolas. Uma medida de precaução que representa um desafio para os pais.

"Temos outro problema: o que podemos fazer? Nós, os pais? Deixamos os nossos filhos com os avós, que são os que correm maior risco. A decisão de fechar as escolas ficou fora de controlo. Devem fechar outras instituições, mas não as escolas", diz Toni Flix, pai de dois filhos.

Para além dos preparativos internos, os países do espaço Schengen estão a tomar medidas drásticas para evitar a contaminação dos paízes vizinhos. A Áustria foi o mais recente a anunciar restrições na fronteira a cidadãos vindos de Itália.

Vamos fazer operações stop, os passaportes vão ser verificados e fotografados, para que possamos controlar se uma pessoa realmente passou pela Áustria.
Karl Nehammer
Ministro do Interior da Áustria

A Polónia também começou a controlar os passageiros dos veículos que chegam da Alemanha. À medida que o vírus se espalha é provável que estes cenários se tornem cada vez mais comuns nas fronteiras da Europa.