EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

União Europeia ataca o coronavírus

União Europeia ataca o coronavírus
Direitos de autor STEPHANIE LECOCQ/EPA
Direitos de autor STEPHANIE LECOCQ/EPA
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líderes europeus definem quatro prioridades no combate ao COVID-19.

PUBLICIDADE

Os líderes da União Europeia decidiram tomar medidas conjuntas de combate à propagação do coronavírus e a Comissão Europeia anunciou a criação de um fundo especial para ajudar as economias dos países da UE mais afetados pela epidemia. São as conclusões de uma cimeira extraordinária, que decorreu por videoconferência.

"É preciso limitar a propagação do vírus. Os Estados-membros concordam que a saúde dos cidadãos é a prioridade. As medidas devem ser baseadas nos conselhos dos médicos e dos cientistas e devem ser proporcionais, de forma a não terem consequências excessivas na sociedade como um todo", disse o presidente do Conselho Europeu Charles Michel.

As quatro prioridades definidas são limitar a propagação do vírus, evitar a penúria de máscaras e respiradores, a pesquisa de uma vacina e, finalmente, atacar as consequências sociais e económicas

O presidente francês Emmanuel Macron promete um combate eficaz à epidemia: "Juntos, estamos prontos a tomar as decisões necessárias e as medidas indispensáveis para fazer face à epidemia e às consequências que esta pode ter. Queremos evitar qualquer forma de instabilidade financeira e económica e vamos tomar todas as medidas necessárias", disse.

Macron não deixou de criticar a decisão da Áustria e da Eslovénia de fechar a fronteira com a Itália, algo que o governo francês decidiu, para já, não fazer.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Coronavírus: Veja a diferença do número de infetados na Europa num mês

Reino Unido procura reconstruir as relações com a Europa

Boicote a Budapeste: oposição húngara diz que ninguém se quer sentar à mesa com Orbán