EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Uma tempestade perfeita"

"Uma tempestade perfeita"
Direitos de autor image euronews
Direitos de autor image euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A queda de vendas na China, desencadeada pelo coronavírus, já tem um grande impacto na indústria britânica

PUBLICIDADE

Peças para carros e aviões vendidas em todo o mundo são produzidas em fábricas na periferia de Birmingham. Como a maioria da indústria britânica, a Cube Precision está dependente da conjuntura internacional.

euronews

Neil Clifton, responsável pelo departamento de gestão da empresa, diz que que a queda de vendas na China, desencadeada pelo coronavírus, já teve um grande impacto na produção.

_"Alguns dos materiais vêm do Extremo Oriente, outros da Europa - alguns dos locais que estão atualmente em bloqueio. Se não conseguirmos esses materiais, não podemos garantir as vendas aos nossos clientes. _

Isso vai diminuir as nossas receitas e, de certeza, dar-nos alguma pressão".

Na Cube Precision, cerca de 50 trabalhadores fabricam peças para a Jaguar Land Rover que, recentemente reduziu a produção. O atraso na cadeia de fornecimento viajou mais rapidamente do que o próprio vírus.

euronews

David Bailey, professor de economia na Universidade de Birmingham, explica que para empresas como a Cubeo novo vírus é mais uma razão de insegurança.

_“O ano passado falei em uma tempestade perfeita. O impacto do coronavírus é a tempestade perfeita parte dois. Significa ainda mais incerteza e uma potencial interrupção dos dois lados. _

Do lado das vendas e do lado da procura, mas também, potencialmente, do lado da oferta e das cadeias de fornecimento. Há o risco das peças não chegarem aos locais onde os carros são feitos".

A siderurgia galesa Dyfed Steels também depende da China. Mas é o abrandamento da produção em toda a Europa que tem sido mais sentido.

euronews

Matthew Price, colaborador da empresa, alerta para o decréscimo acentuado do número de encomendas.

"Compramos em todo o mundo, compramos na Europa, na China, em todo o lado. Agora, com o Coronavirus, alguns contratos reduziram os pedidos para metade - alguns até para um quarto da quantidade".

Há empresas que têm a capacidade de substituir os contratos que os parceiros chineses não conseguiram cumprir. Mas esta perturbação sem precedentes na cadeia de abastecimento vai inevitavelmente ter um impacto drástico no centro do Reino Unido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Coronavírus: China garante estabilidade do comércio mundial

Covid-19 aumenta presença na Coreia do Sul e mortos na China

Coronavírus regista o menor aumento de casos na China em quase um mês