Fim da quarentena esta quarta-feira em Hubei apesar da Covid-19

Comércio deverá ser progressivamente retomado em Hubei nos próximos dias
Comércio deverá ser progressivamente retomado em Hubei nos próximos dias Direitos de autor Chinatopix via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

China entende estarem reunidas as condições retirar a quarentena imposta no epicentro do surto de #Covid19. Apenas Wuhan mantém as proibições até 08 de abril

PUBLICIDADE

A província chinesa de Hubei, epicentro da pandemia de covid-19, prepara-se para o fim da quarentena.

A partir das zero horas desta quarta-feira, milhões de pessoas vão poder voltar a circular normalmente nas diversas cidades de Hubei, com exceção para Wuhan, onde tudo alegadamente começou no final de dezembro e que deverá manter-se em quarentena até 08 de abril.

As autoridades chinesas alegam estar a começar a controlar o surto, revelando cada vez menos novos casos de infeção e de mortes no país.

No balanço oficial realizado esta terça-feira, a comissão de Saúde da China divulgou o registo de "78 novos casos de infeção, sete novas fatalidades, todas em Hubei, e mais 35 casos suspeitos".

"Na segunda-feira, foram 456 as pessoas recuperadas que receberam alta. Removemos ainda 769 pessoas da lista de observação de contactos próximos e o número de casos graves reduziu-se em 176", precisou Mi Feng, o porta-voz da Comissão de Saúde chinesa.

As autoridades chinesas alegam ainda terem registado apenas um novo caso local: em Guangdong. Os restantes novos casos de infeção na China terão sido todos importados.

A quarentena em Hubei foi imposta a 23 de janeiro.

Dois meses depois, a China entende estarem reunidas as condições para começar a levantar as proibições no epicentro da pandemia, embora exista quem desconfie deste afrouxar das medidas de contenção, considerando que o regime está apenas a tentar minimizar o estrangulamento da economia imposto no país devido a este novo coronavírus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

COVID-19: Situação volta a agravar-se em Espanha

Bruxelas alerta para riscos da pandemia nos requerentes de asilo

Chanceler alemão pede à China mais abertura económica