EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bruxelas alerta para riscos da pandemia nos requerentes de asilo

Bruxelas alerta para riscos da pandemia nos requerentes de asilo
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaMaria Psara
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A comissão de Liberdades Civis e Justiça do Parlamento Europeu pediu à Comissão Europeia medidas imediatas para ajudar a retirar pessoas dos campos de refugiados gregos para outros pontos, para evitar o agravamento da crise humanitária e o alastrar da pandemia.

PUBLICIDADE

Os requerentes de asilo e migrantes que vivem em campos sobrelotados na Europa são uma população muito vulnerável à pandemia Covid-19, sobretudo na Grécia, onde 42 mil pessoas vivem em condições precárias.

Um residente na ilha grega de Lesbos foi infetado e a doença pode alastrar como um rastilho de pólvora a esses campos avisou, segunda-feira, o Parlamento Europeu. A Comissao Europeia diz estar atenta.

"Será uma situação muito difícil se o vírus chegar ao campo de Moria ou a qualquer outro centro de acolhimento sobrelotado, bem como aos pontos de entrada nas ilhas gregas. É necessário tomar já medidas", alertou Ylva Johansson, comissária europeia para os Assuntos Internos.

Além de providenciar cuidados, os governos devem continuar a processar os pedidos de asilo, como exige a lei internacional e europeia, segundo um especialista em migração.

"As pessoas que chegam às fronteiras continuam a ter o direito de solicitar asilo e não podem ser mandadas embora sem que sua reivindicação seja avaliada. Isso não significa que não se possa ser fazer nada para proteger a saúde. As pessoas que pedem asilo podem ser testadas para verificar se estão doentes, ou não, e se estiverem, podem ser aplicadas medidas como quarentena, detenção ou restrições de movimento no território dos Estados", disse, à euronews, Philippe De Bruycker, professor de direito no Instituto de Estudos Europeus da Universidade Livre de Bruxelas.

Mas já se verifica uma diminuição do atendimento por falta de meios e de funcionários, que são enviados para casa ou estão doentes, reconhece o executivo comunitário.

"Muitos Estados-membros estão a decidir que as entrevistas com os requerentes de asilo não devem continuar a decorrer porque querem limitar a interação social.Haverá atrasos nos processos de asilo, mas penso que os Estados-membros estão a tomar medidas para lidar com o risco da propagação do vírus", referiu a comissária europeia para os Assuntos Internos.

A comissão de Liberdades Civis e Justiça do Parlamento Europeu pediu à Comissão Europeia medidas imediatas para ajudar a retirar pessoas dos campos de refugiados gregos para outros pontos, para evitar o agravamento da crise humanitária e o alastrar da pandemia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal decide contra três Estados-membros da UE

Fim da quarentena esta quarta-feira em Hubei apesar da Covid-19

França reforça medidas de quarentena