Última hora
This content is not available in your region

África tem mais de 4800 casos ativos da COVID-19

euronews_icons_loading
África tem mais de 4800 casos ativos da COVID-19
Direitos de autor  LUSA
Tamanho do texto Aa Aa

Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Guiné Bissau estão em estado de emergência com fortes medidas de restrições na circulação de pessoas.

Angola, com duas mortes e cincos casos de infeções pela Covid-19, mobilizou as forças armadas e a Polícia Nacional para fazer cumprir a ordem de quarentena obrigatória.

Paolo Balladelli Coordenador residente da ONU em Angola fez saber que todos os recursos já disponíveis no país vão ser canalizados para apoiar no combate à Covid-19.

A região da Lunda Norte será, igualmente, contemplada com parte do fundo do Plano de Resposta Humanitária, criado pelas Nações Unidas para proteger milhões de refugiados, e reduzir a disseminação do vírus no mundo.

Em todo continente somam-se mais de 4.800 casos ativos, cento, 52 mortes e 340 recuperações.

O norte e sul de África registam o maior número de casos ativos e a África do Sul, com mais de 1.300 casos é o centro da pandemia no continente africano.

Em Cabo Verde com seis casos ativos, todas as ligações entre ilhas, aéreas e marítimas, de passageiros continuam proibidas pelo decreto-lei que regulamenta o estado de emergência.

Em Moçambique o presidente Filipe Nyusi decretou, esta segunda-feira, também o estado de emergência. Em São Tomé o governo quer que este se estenda por mais 15 dias.

Com a situação a agravar-se no continente africano - na Argélia há mais de 500 casos ativos e no Egito mais de 460 - é preciso adotar novas medidas mas para Djamila Cabral, representante da Organização Mundial de Saúde, a implementação de modelos de contenção, que resultaram em outros continentes, pode não funcionar nos países africanos.

Djamila Cabral é da opinião de que África tem um contexto bastante específico, como por exemplo a pobreza, as questões socioculturais, uma forma de socialização muito especial, e por isso as medidas necessárias para combater a pandemia da Covid-19 vão ter consequências diferentes nas famílias africanas.

Entretanto, o presidente da comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamatt, anunciou recentemente a criação do fundo africano anti-Covid19, avaliado em 11,6 milhões de euros, para apoiar os países africanos na luta contra a propagação da pandemia.