EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Várias velocidades na resposta europeia à Covid-19

Várias velocidades na resposta europeia à Covid-19
Direitos de autor Gonzalo Fuentes/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Gonzalo Fuentes/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

França prolongou as apertadas medidas restritivas em mais um mês por causa do coronavírus. O Reino Unido ainda não faz ideia quando o confinamento será levantado, enquanto Espanha já permite alguns cidadãos regressarem ao trabalho.

PUBLICIDADE

Mais um mês em confinamento. França e os franceses vão continuar sob apertadas medidas restritivas até 11 de maio.

"A pandemia ainda não está sob controlo por isso temos que continuar o esforço e a respeitar as regras", anunciou o Presidente Emmanuel Macron.

Em mais um discurso à nação, em direto televisivo a partir do Palácio do Eliseu, o Presidente explicou que depois de 11 de maio as escolas vão abrir de forma gradual mas que restaurantes, cafés e outros estabelecimentos vão permanecer encerrados até meados de julho. Macron prometeu rastreios em massa a partir de maio e admitiu algumas falhas na resposta ao vírus.

"Nos últimos dias, o número de pessoas que entraram nos cuidados intensivos baixou e a esperança está a regressar. E esta noite eu gostaria de agradecer calorosamente pela vossa dedicação e quero exprimir a minha gratidão. Estávamos nós preparados para esta crise? É óbvio, não estávamos preparados de forma suficiente mas enfrentámo-la"

E a entrar na sexta semana de confinamento, a Itália assiste à lenta diminuição de casos mas com o número total de óbitos ainda a subir.

Com algumas exceções, as restrições vão permanecem em vigor pelo menos até ao dia 3.

E com os italianos já no que parece ser o outro lado do pico pandémico, existe uma crescente preocupação de que o Reino Unido se transforme no país europeu com o maior número de fatalidades relacionadas com o coronavírus. Sobre o levantamento das restrições, o ministro das Relações Externas é claro. "E diria que não esperamos fazer alterações às atuais medidas em vigor, pelo menos até estarmos certos e confiantes de um ponto de vista realístico de que as alterações podem ser feitas em segurança", explica Dominic Raab.

Numa tentativa de dar ignição à economia parada, Espanha viu alguns cidadãos regressarem aos seus trabalhos ao mesmo tempo que inicia um programa de distribuição de 10 milhões de máscaras. O levantamento completo do confinamento será gradual.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 85 migrantes resgatados no Canal da Mancha perto de Dover

Nigel Farage ultrapassou pela primeira vez partido do primeiro-ministro Rishi Sunak

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado