Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Os números e as notícias de quinta-feira, 30 de abril

Virus Outbreak Indiana
Virus Outbreak Indiana   -   Direitos de autor  Darron Cummings/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A pandemia já infetou 3,2 milhões de pessoas em pelo menos 185 países e, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, já terá contribuído para mais de 227 mil mortos, havendo quase um milhão de pessoas recuperadas da doença provocada por este novo coronavírus.

A pandemia de SARS-CoV-2

O surto terá surgido em dezembro na cidade chinesa de Wuhan e teve o primeiro registo na Europa a 20 em janeiro, em França, o mesmo dia em que se admite ter sido também registado pela primeira vez nos Estados Unidos.

A pandemia entrou em África, pelo Egito, a 15 de fevereiro, e dez dias depois chegou à América do Sul, pelo Brasil. A pandemia bloqueou a maior parte do mundo desde meados de março.

Atualizações:

21h30 (CET) Primeiro-ministro do Líbano admite pedido de ajuda ao FMI

O Líbano vai pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciou o primeiro-ministro, Hassan Diab, depois da aprovação de um plano de recuperação da economia do país endividado, num contexto de descontentamento social.

“Vamos pedir um programa do Fundo Monetário Internacional”, disse Diab num discurso televisivo, considerando que o plano de reforma aprovado pelo seu Governo irá colocar o país no caminho certo para sair “da sua profunda crise financeira”.

Com o seu plano de reforma, para o qual o Líbano pediu em fevereiro uma assistência técnica do FMI, o Governo estabeleceu “metas para cinco anos”, segundo Diab.

Trata-se de reduzir o défice público, mas também de obter “um apoio financeiro externo superior a 10 mil milhões de dólares (9,2 mil milhões de euros)”, além dos 11 mil milhões (cerca de 10 em euros) prometidos em 2018 numa conferência internacional em Paris, adiantou.

21h23 (CET) França vai importar à China 150 milhões de máscaras por semana

A França já importou 500 milhões de máscaras da China e as entregas vão aumentar para 150 milhões por semana em meados de maio, na luta contra a pandemia da covid-19, anunciou hoje o secretário de Estado dos Transportes.

Embora as máscaras sejam cruciais para o relaxamento de medidas de confinamento da população francesa a partir de 11 de maio, Jean-Baptiste Djebbari reforçou o fortalecimento de uma ponte aérea com a China para abastecer o país, durante uma visita ao aeroporto Roissy, em Paris.

Com a saída do confinamento, o uso de máscaras vai ser obrigatório nos transportes públicos, segundo anunciou o primeiro-ministro, Edouard Philippe, na terça-feira.

“O objetivo é fazer com que cada francês tenha a capacidade de obter uma máscara para que, a 11 de maio, cada pessoa que entre nos transportes públicos tenha uma máscara”, declarou Djebbari.

21h13 (CET) Encontrados 50 corpos em camiões à porta de uma funerária nos EUA

A polícia norte-americana encontrou cerca de 50 corpos dentro de quatro pequenos camiões frigoríficos alugados por uma agência funerária, depois de ter sido chamada ao local por causa do cheiro nauseabundo que de lá emanava.

Fonte policial, sob a condição de anonimato, relatou hoje à agência noticiosa AP, que o facto ocorreu na quarta-feira numa agência funerária localizada no bairro de Brooklyn, em Nova Iorque.

A polícia respondeu a uma chamada anónima a denunciar a existência do cheiro nauseabundo que aparentemente sairia da agência funerária e veio a descobrir que a empresa alugou quatro camiões frigoríficos para responder à demanda de inúmeros pedidos de funerais devido à pandemia causada pelo novo coronavírus.

Segundo a fonte, não foram apresentadas quaisquer queixas contra a Andrew T. Cleckley Funeral Home, que foi, porém, criticada por não ter tido em conta os odores.

A agência funerária foi autorizada, mais tarde, a obter um camião frigorífico ainda maior, para onde foram, depois, transportados os corpos por funcionários da empresa, todos devidamente equipados, à vista de todos.

As agências funerárias da cidade de Nova Iorque têm estado assoberbadas desde fins de março, na sequência da morte de milhares de nova-iorquinos devido à covid-19.

A própria cidade, face ao elevado número de vítimas mortais - mais de 14.000 desde o início da crise pandémica -, tem instalado morgues um pouco por todos os bairros.

Os hospitais nova-iorquinos estão a recorrer a atrelados com câmaras frigoríficas uma vez que deixou de haver espaço para dezenas de corpos ao mesmo tempo. Por sua vez, os crematórios já ultrapassaram os limites.

21h00 (CET) Espanha anuncia horários de saída à rua

O governo espanhol anunciou que os maiores de 14 anos de idade podem sair de casa para passear e fazer exercício físico a partir de sábado, das 06:00 às 10:00 e das 20:00 às 23:00.

O ministro espanhol da Saúde, Salvador Illa, revelou em videoconferência de imprensa que, depois de confinados em casa há quase sete semanas, os cidadãos vão poder ir à rua nestas faixas horárias durante uma hora e até um quilómetro de distância.

O responsável governamental também precisou que os passeios ou o exercício físico pode ser feito acompanhado por uma pessoa que viva debaixo do mesmo teto, sempre mantendo a distância social de segurança.

Além disso, foram estabelecidas duas outras faixas horárias para a saída de idosos e pessoas dependentes, das 10:00 às 12:00 e das 19:00 às 20:00, sendo as saídas das crianças até 14 anos são restringidas para se realizarem das 12:00 às 19:00, para evitar aglomerações de pessoas.

20h45 (CET) Bolsonaro terá testado negativo mas provas ainda não foram entregues

A Advocacia-Geral da União (AGU) do Brasil revelou que os testes de covid-19 realizados em março pelo Presidente do país, Jair Bolsonaro, foram negativos, num relatório enviado à justiça federal de São Paulo. No entanto, o órgão que defende o Governo brasileiro em processos judiciais não entregou a cópia dos exames ao jornal O Estado de S.Paulo (Estadão), autor de uma ação judicial em que viu reconhecido o direito de ter acesso aos exames realizados pelo chefe de Estado.

Ler artigo aqui

20h13 (CET) Medidas apresentadas pelo governo português para a próxima fase

O plano de desconfinamento foi apresentado por António Costa durante esta tarde, depois da reunião do Conselho de Ministros. Eis algumas das medidas:

  • Confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa;

  • Dever cívico de recolhimento domiciliário;

  • Proibição de eventos ou ajuntamentos com mais de 10 pessoas;

  • Funerais: com a presença de familiares;

  • Finanças e conservatórias reabrem na segunda-feira com marcação;

  • Uso obrigatório de máscaras comunitárias em espaços onde exista maior concentração de pessoas: Transportes públicos, estabelecimentos comerciais e escolas;

  • Podem abrir: Lojas com porta aberta para a rua até 200m2, livrarias e comércio automóvel, independentemente da área e estabelecimentos de prestação de serviços de higiene pessoal (cabeleireiros, barbeiros, manicures, pedicures e similares) por marcação prévia;

  • Teletrabalho obrigatório para todas as empresas até ao final do mês de maio sempre que as profissões o permitam;

  • Lojas de cidadão só abrem a 1 de junho;

Ver plano completo aqui

19h47 (CET) França com mais de 24 mil mortos, 289 no último dia

A França registou nas últimas 24 horas 289 mortes associadas à Covid-19 em meio hospitalar e nos lares, perfazendo um total de 24.376 mortos desde o início da pandemia, anunciou hoje fonte oficial.

Os números do avanço do vírus em França foram divulgados em conferência de imprensa por Jérôme Salomon, diretor-geral da Saúde.

Desde 01 de março, em meio hospitalar morreram 15.244 pessoas e nos lares foram registados 9.132 óbitos no mesmo período.

Em França há 26.283 pessoas hospitalizadas devido à covid-19 e 4.019 destes pacientes estão nos cuidados intensivos. Estes dois indicadores estão a descer de forma "lenta, mas regular", segundo o diretor-geral da Saúde francês.

19h30 (CET) Primeiro-ministro russo infetado com o novo coronavírus

O primeiro-ministro russo, Mikahil Mishustin, informou, por videoconferência, o Presidente Vladimir Putin que contraiu o novo coronavírus, pelo que terá de suspender temporariamente as suas funções.

Mishustin, que está no poder desde janeiro, entregou provisoriamente o cargo ao vice-primeiro-ministro, Andrei Belousov, mas explicou que continuará a acompanhar as questões mais importantes, uma decisão que Putin já validou.

Na Rússia, o primeiro-ministro supervisiona diretamente as questões económicas e responde perante o Presidente.

A Rússia, que prolongou o confinamento geral até meados de maio, ultrapassou os 100.000 casos de contaminação e já registou mais de mil mortes com a covid-19.

18h13 (CET) Governo português apresenta medidas para a fase seguinte à do estado de emergência

António Costa apresentou as medidas em conferência de imprensa:

Conferência de imprensa do Conselho de Ministros

Transmissão em direto da Conferência de imprensa do Conselho de Ministros

Publiée par República Portuguesa - XXII Governo sur Jeudi 30 avril 2020

19h00 (CET) Vigilância mesmo com menos medidas, pede OMS África

A Organização Mundial de Saúde (OMS) África alertou para a importância de manter forte vigilância e insistir na deteção de casos para travar a pandemia de covid-19, numa altura em que alguns países começam a facilitar os bloqueios.

Durante um encontro ‘online’ para a comunicação social com a participação de peritos da OMS, da África do Sul e do Gana sobre o surto de covid-19, a diretora regional da OMS para África, Matshidiso Moeti, deixou um apelo: “Não podemos simplesmente voltar ao que era antes do surto”.

“Os bloqueios nacionais e regionais contribuíram para abrandar a propagação da covid-19, mas esta continua a ser uma ameaça considerável para a saúde pública”, disse Moeti.

A propósito do abrandamento dos bloqueios, que começa a registar-se em alguns países, a especialista referiu que se os Governos acabarem abruptamente com as medidas, os países arriscam-se a perder os ganhos que fizeram até agora contra a pandemia.

18h40 (CET) PSG campeão oficial depois de cancelamento do campeonato francês

O campeonato francês 2019/20 foi oficialmente cancelado, devido à pandemia de covid-19, sendo que o título de campeão foi atribuído ao Paris Saint-Germain, que liderava confortavelmente a prova, anunciou hoje a Liga Francesa de Futebol (LFP).

Dois dias depois de o primeiro-ministro gaulês, Édouard Philippe, ter anunciado a impossibilidade de retomar a temporada dos desportos profissionais, incluindo a de futebol, o Conselho de Administração da LFP reuniu-se hoje para deliberar sobre o tema, acabando por oficializar o encerramento dos dois escalões profissionais, a ‘Ligue 1' e a ‘Ligue 2'.

A classificação final das duas competições teve por base "o critério adotado pela Federação Francesa de Futebol nos restantes campeonatos", informou a LFP.

O título de campeão da ‘Ligue 1' foi atribuído ao Paris Saint-Germain, que, na altura da interrupção, em março, liderava a prova com mais 12 pontos e menos um jogo do que o Marselha, segundo classificado, quando faltavam 10 rondas para o final.

18h16 (CET) Itália com 285 mortos no último dia, 27.967 no total

Itália regista um total de 205.463 casos, com um aumento de 1.872 nas últimas 24 horas. Também no último dia 4.693 foram dadas como recuperadas da doença.

As mortes são agora 27.967, com mais 285 em relação a quarta-feira. Os casos positivos são 101.551, com menos 3.100 em relação a ontem, o que representa a maior queda até agora.

Desde o início da emergência, 71.252 pessoas já conseguiram ser curadas, segundo os dados divulgados pelo chefe da Proteção Civil, Angelo Borrelli.

18h00 (CET) Reino Unido regista 26.711 mortes ligadas à Covid-19

Segundo os números revelados pelo governo britânico na conferência de imprensa diária, morreram mais 674 nas últimas 24 horas.

Mesmo com mais de 600 mortes num dia, o primeiro-ministro do Reino Unido deixou elogios ao esforço dos britânicos. "O vosso esforço está a funcionar", disse Boris Johnson. O primeiro-ministro disse também que o pico da pandemia no país já foi atingido.

17h35 (CET) Novos pedidos de subsídio de desemprego nos EUA já ultrapassam os 30 milhões

Só na semana passada foram registados cerca de 3,8 milhões de pedidos de acesso ao subsídio de desemprego nos EUA. No total, já são 30,3 milhões o número de novos pedidos nas últimas seis semanas, desde o início do surto de Covid-19.

A pandemia de covid-19 forçou milhões de empresas a fechar e a reduzir postos de trabalho, fazendo disparar para cerca de 30,3 milhões o número de pedidos de subsídio de desemprego nas últimas seis semanas, segundo noticia a agência AP.

Esta crise económica afeta um em cada seis trabalhadores norte-americanos, e o número de novos desempregados nos Estados Unidos já é superior ao de habitantes nas áreas metropolitanas de Nova Iorque e Chicago juntas.

Os economistas preveem que a taxa de desemprego em abril possa atingir os 20%. Caso se confirme será a taxa de desemprego mais alta desde que atingiu os 25% durante a ‘Grande Depressão’ na década de 1930.

Os EUA são o país com mais mortos (60.999) e mais casos de infeção confirmados (mais de um milhão).

17h00 (CET) Boris Johnson sugere que confinamento vai continuar

Durante o início desta tarde, o primeiro-ministro britânico pediu aos cidadãos para "continuarem da maneira que se têm comportado até agora", sugerindo que as medidas de confinamento são para continuar.

Boris Johnson admitiu que entende a "impaciência" que os britânicos sentem nesta fase. "Partilho da vossa ansiedade", disse Boris.

A conferência de imprensa diária desta quinta-feira vai a ser feita pelo primeiro-ministro, pela primeira vez desde que regressou ao trabalho depois de ter sido infetado com o vírus. Está agendada para as 18h00 (CET).

14h42 (CET) Espanhóis já podem sair de casa a partir de sábado, mas com restrições horárias

O governo espanhol anunciou os cidadãos vão poder sair para passear e fazer desporto, a partir de sábado, 2 de maio, distribuídos por “faixas horárias”. Espanha está em confinamento obrigatório há sete semanas e é o segundo país com mais mortos ligados à Covid-19 por cada milhão de habitante, seguido da Bélgica.

Segundo fonte do executivo espanhol, o comitê técnico presidido pelo primeiro-ministro, Pedro Sanchez, “estabeleceu, na sua reunião desta manhã e de acordo com os dados que mostram a boa evolução da pandemia na Espanha, as faixas horárias pelas quais se organiza a saída da população serão organizadas a partir do próximo sábado.

O ministro da Saúde, Salvador Illa, vai explicar esta tarde, numa conferência de imprensa, “o alcance e os detalhes” da medida de alívio para a população dentro do confinamento previsto no âmbito do estado de emergência em vigor desde 15 de março.

Tinha sido o próprio Pedro Sánchez que anunciou no sábado passado que, a partir de 02 de maio, os cidadãos seriam autorizados a sair para passear ou fazer desporto individualmente, sem dar mais detalhes.

O Governo espanhol definiu uma fase de transição até finais de junho com o desmantelamento “gradual, assimétrico, coordenado e adaptável” das medidas de confinamento até que todo o país possa entrar numa "nova normalidade" em que se espera que a pandemia de covid-19 esteja controlada.

14h25 (CET) DGS diz que "não podemos baixar a guarda" e que maio será determinante

Graça Freitas disse na conferência diária de imprensa da DGS que o objetivo principal é controlar a pandemia e adverte que "não podemos baixar a guarda em nada".

A Diretora-Geral da Saúde deixou também o aviso aos portugueses de que o mês de maio será "determinante" para o controlo da curva epidemiológica.

14h00 (CET) Número de mortes em Portugal sobe para 989 e casos ultrapassam os 25 mil

Segundo os dados revelados há minutos pela Direção-Geral da Saúde, o número de mortes relacionadas com a Covid-19 em Portugal foi elevado para 989, depois de, nas últimas 24 horas, terem morrido mais 16 pessoas infetadas com o novo coronavírus.

O número total de infetados em todo o território português é agora de 25.045, ao ser confirmada, no último dia, a presença do vírus em mais 540 pessoas.

Das 25 mil pessoas infetadas, 968 estão internadas - mais 16 do que no último dia - e 172 estão nos cuidados intensivos. Continuam a aguardar resultado dos testes 3794 pessoas e já conseguiram recuperar 1519 vítimas desta pandemia.

Conferência de imprensa em #direto:

Conferência de imprensa COVID-19

Conferência de imprensa COVID-19 | Acompanhe em direto #DGS #Saúde #SNS

Publiée par Direção-Geral da Saúde sur Jeudi 30 avril 2020

13h37 (CET) Campeonato Mundial de atletismo paralímpico adiado de 2021 para 2022

Os mundiais de atletismo paralímpico que estavam previstos para 17 a 26 de setembro de 2021 em Kobe, no Japão, foram adiados para 2022. O anúncio foi feito pelo Comité Paralímpico Internacional (IPC). Ver aqui comunicado

A decisão da alteração da data dos Mundiais, reagendados para decorrer de 26 de agosto a 4 de setembro de 2022, está relacionada com o adiamento dos Jogos Paralímpicos Tóquio2020 para 2021, devido à pandemia de covid-19.

O presidente do comité organizador, Akemi Masuda, disse que, depois de confirmado o adiamento dos Jogos Paralímpicos, decorreram reuniões com diferentes organizações para se encontrar uma nova data, sem cancelar o evento.

“Esta decisão foi tomada para que possamos continuar o movimento paralímpico e tornar o campeonato do mundo uma experiência divertida e emocionante para os atletas, espetadores e todos os outros participantes”, afirmou Akemi Masuda.

12h45 (CET) Mulher de 76 anos infetada com o Covid-19 detida na rua em Ovar

Uma mulher de 76 anos infetada com o novo coronavírus foi detida pela PSP de Ovar pelo crime de desobediência, revelou hoje o comando distrital de Aveiro dessa polícia, que a encontrou a circular na rua sem máscara.

A detenção deu-se na quarta-feira, na sequência de várias ações de fiscalização destinadas a verificar se os cidadãos diagnosticados com covid-19 estão efetivamente a cumprir o confinamento domiciliário a que estão obrigados por lei, para evitarem o contágio de terceiros.

Foi assim que a PSP constatou que a septuagenária estava a "violar a ordem de confinamento obrigatório emanada por autoridade sanitária", encontrando-se "a circular na via pública e sem qualquer meio de proteção individual, nomeadamente máscara e luvas".

No âmbito da mesma fiscalização, os agentes da Esquadra de Ovar, tutelada pela Divisão de Espinho, detiveram dois outros homens por incumprimento do dever de recolhimento domiciliário imposto pelo estado de emergência nacional.

Os detidos, de 46 anos e de 41, não apresentaram “um motivo válido para circularem e permanecerem na via pública, reiterando conscientemente o comportamento" depois de já alertados anteriormente para a infração.

12h40 (CET) Dívida pública de Moçambique "em dificuldade, mas sustentável"

A divida pública moçambicana "vai continuar em dificuldades, mas é sustentável em termos futuros", mesmo após o impacto da pandemia de covid-19, considera a mais recente avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgada na quarta-feira.

"A maior fatia dos empréstimos futuros e garantias estatais reflete a participação do Estado nos projetos de grande dimensão de gás natural liquefeito (GNL). Apesar de algum atraso, os projetos vão avançar", considera a instituição, prevendo o arranque em 2023, ao justificar a sua apreciação.

"Apesar de se antever que a pandemia tenha forte impacto em Moçambique e que as premissas subjacentes ao cenário macroeconómico, particularmente nos próximos dois anos, tenham piorado em relação à última análise, as perspetivas de médio prazo permanecem positivas devido aos megaprojetos de GNL", detalha.

Depois de ter representado 108,4% no final de 2019, a dívida pública deverá atingir 113,7% do PIB este ano e 113,1% em 2021 e começar a baixar em 2022 para 106,2%, seguindo depois esta tendência, segundo os novos cálculos do FMI, que reduzem o peso da dívida relativamente aos números apresentados a meio de abril nas Perspetivas Económicas Regionais da África subsaariana.

O FMI renova um voto de confiança no Governo, dizendo que parte da análise de sustentabilidade da dívida assenta "no forte compromisso das autoridades em implementar consolidação fiscal e estratégias de endividamento prudentes".

12h35 (CET) Consumo de combustível com queda agravada em março

O consumo de combustível diminuiu, em termos globais, no primeiro trimestre de 2020, com a gasolina, gasóleo e ‘jet’ a sofrerem maior queda em março, face ao período homólogo anterior, em 17,4 quilotoneladas (kton), 49,2 kton e 37,9 kton, respetivamente.

De acordo com o Boletim do Mercado dos Combustíveis e GPL, hoje divulgado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), em março, registaram-se quedas em todos os combustíveis do cabaz de derivados do petróleo, exceto no GPL, com o consumo mensal de gasolina, gasóleo e ‘jet fuel’ (usado em aeronaves) a diminuir, face ao período homólogo anterior, em 17,4 kton, 49,2 kton e 37,9 kton, respetivamente.

Por outro lado, o GPL registou um aumento de introduções a consumo de 5,5 kton.

Segundo o documento, o gasóleo continua a ser o combustível mais consumido no mercado nacional, representando quase 65% do ‘mix’ de combustíveis derivados do petróleo, seguido pelo ‘jet’ (14%), gasolina (12%) e, por último, o GPL (9%).

12h20 (CET) Bélgica sofre mais de uma centena de mortes em 24 horas

A Bélgica registou, nas últimas 24 horas, 660 novos casos confirmados de covid-19 e 111 mortes, segundo dados oficiais hoje divulgados.

De acordo com o boletim epidemiológico de hoje, nas últimas 24 horas foram registados 660 novos casos positivos de contaminação com o novo coronavírus (face aos 525 de quarta-feira), para um total de 48 519.

Nas últimas 24 horas houve 111 mortes, um recuo face às 170 divulgadas na véspera, totalizando a Bélgica 7.594 óbitos por covid-19 desde o início da pandemia no país.

Nas últimas 24 horas foram hospitalizadas 178 pessoas (174 na quarta-feira), num total de 15.239, e 293 tiveram alta (340 na véspera), o que perfaz 11.576 desde 15 de março.

Segundo o boletim, a semana que começou a 06 de abril foi a que registou a maior taxa bruta de mortalidade: 37,2 por mil habitantes.

Nessa semana, morreram este ano 4.254 pessoas, face às 1.960 na mesma semana de 2019 e 2.158 de 2018.

O primeiro caso da pandemia covid-19 na Bélgica foi identificado em 04 de fevereiro, mas só começaram a ser recolhidos dados em todos os hospitais em 15 de março.

12h00 (CET) OMS adverte que o vírus é resistente e pede cautela nos desconfinamentos

A Organização Mundial de saúde adverte que o novo coronavírus vai continuar ativo e os sistemas de saúde nacionais devem adaptar-se devidamente. ´

"Precisamos de estar abertos a novas formas de dar e receber assistência médica. Não podemos permitir que a Covid-19 provoque uma segunda catástrofe sanitária de outras causas", afirmou Hans Kluge , diretor da OMS para a Europa, pedindo aos governos para se manterem "vigilantes, perseverantes, pacientes e prontos a retomar as medidas (de contenção) como e quando for necessário."

11h55 (CET) Cabo Verde e Guiné Equatorial com muitos casos por 10 mil habitantes

Cabo Verde e a Guiné Equatorial estão entre os cinco países africanos com mais casos de covid-19 declarados por 100 mil habitantes, divulgou hoje o Centro para a Prevenção e Controlo de Doenças da União Africana (África CDC).

“Quando se tem em consideração a população, Djibuti (105), Maurícias (26), Cabo Verde (20), Guiné Equatorial (18) e Seychelles (11) estão a reportar o maior número de casos por 100 mil habitantes”, disse Benjamin Djoudalbaye, do África CDC.

De acordo com o responsável pela diplomacia da saúde e comunicação do África CDC - que hoje substituiu na conferência de imprensa semanal o diretor John Nkengasong - África do Sul (15%), Egito (14%), Marrocos (12%), Argélia (10%) e Camarões (5%) mantêm-se como os países africanos com maior número de casos acumulados.

O Egito regista 380 mortos e 5.268 infetados, a África do Sul conta 103 mortos e 5.350 doentes infetados, enquanto Marrocos totaliza 168 vítimas mortais e 4.321 casos e os Camarões contabilizam 61 mortos e 1.832 infetados.

O maior número de vítimas mortais regista-se na Argélia (444), em 3.848 doentes infetados.

Globalmente, África regista 1.589 mortes, 36.847 infeções e 12.071 doentes recuperados em 52 países.

11h50 (CET) Estudo internacional avalia impacto da pandemia nos pais

Um consórcio internacional, que reúne cientistas de 40 países, incluindo Portugal, está a estudar o impacto da pandemia da covid-19 na satisfação e exaustão parental no mundo, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

Esta investigação transcultural pretende “aumentar a compreensão dos fatores que dificultam ou ajudam os pais e mães a lidar com o stresse resultante da necessidade de conciliarem múltiplas tarefas em situação de confinamento”, refere a UC, numa nota enviada hoje à agência Lusa.

As implicações da pandemia, “especificamente o confinamento a casa, o isolamento social, o encerramento das creches, jardins-de-infância e escolas, o teletrabalho, o ‘lay-off’ e os despedimentos vieram colocar novos desafios ao exercício da parentalidade e da coparentalidade”, afirma a investigadora Maria Filomena Gaspar.

11h45 (CET) Pedidos de asilo na UE caiem para metade

Os pedidos de asilo na União Europeia caíram para praticamente metade em março, mês em que a maioria dos Estados-membros encerraram as fronteiras para combater a pandemia da covid-19, revelou hoje o Gabinete Europeu de Apoio ao Asilo (EASO).

De acordo com os dados desta agência, em março foram introduzidos 34.737 pedidos de asilo na UE, o que representa uma quebra de 43% face ao mês anterior, notando a EASO que, imediatamente antes de a pandemia atingir a Europa, os números de requerimentos haviam sido muito elevados, designadamente 65.300 em janeiro e 61.100 em fevereiro, um aumento de 16% face ao período homólogo.

A EASO atribui esta queda nos pedidos de asilo que deram entrada na UE ao facto de o surto do novo coronavírus ter afetado, em diferentes graus, o funcionamento das autoridades responsáveis pelo asilo, tanto no que diz respeito às atividades dos próprios sistemas de asilo, como devido a restrições nas fronteiras.

11h35 (CET) República Checa declara ter o vírus controlado

A propagação do vírus na República Checa está controlada, assume o governo local, já com um processo de reabertura da economia do país em curso. Os números de contágios e de casos ativos tem estado numa constante descida há vários dias e a reprodução deste novo coronavírus caiu para 0,7 (sendo que 1 significa que uma pessoa infetada infeta outra e 2 que infeta duas pessoas).

11h30 (CET) Desemprego na zona euro subiu em março para os 7,4%

A taxa de desemprego fixou-se nos 7,4% na zona euro e nos 6,6% na União Europeia (UE) em março, o mês do início das medidas de confinamento devido à covid-19 pelos Estados-membros.

Na zona euro, a taxa de desemprego subiu, em março, face aos 7,3% de fevereiro, mas recuou na comparação homóloga (7,7%).

Na UE, a taxa de desemprego aumentou para os 6,6% face aos 6,5% de fevereiro, mas recuou quando comparada com os 6,9% de março de 2019.

O gabinete estatístico europeu alerta para o facto de os números avançados serem estimativas baseadas na definição padrão do desemprego pela Organização Internacional do Trabalho, que inclui como desempregado as pessoas que estão ativamente à procura de um novo trabalho há quatro semanas e disponíveis para começar num prazo de duas semanas, o que atualmente não podem fazer devido ao confinamento.

11h20 (CET) França contrai-se 5,8% no trimestre devido à pandemia

O Produto Interno Bruto (PIB) de França contraiu-se 5,8% no primeiro trimestre, o maior recuo desde a criação da série histórica em 1949, devido à paralisação provocada pelas medidas de contenção da covid-19 desde meados de março.

O Instituto Nacional de Estatística francês (INSEE), que divulgou hoje a primeira estimativa para os primeiros três meses do ano, sublinha em comunicado que este recuo está bem acima do de 1,6% no primeiro trimestre de 2009 resultante da crise financeira e do de 5,3% no segundo trimestre de 1968, quando ocorreu a famosa revolta estudantil e operária daquele ano.

Na contração do primeiro trimestre de 2020, pesou principalmente o recuo de 6,6% da procura doméstica, resultante de uma queda de 6,1% do consumo privado e de 11,8% do investimento.

No lado da produção, a queda foi de 5,5%, com uma evolução particularmente forte na construção (-12,6%) e com um recuo também muito significativo na indústria transformadora (-5,8%) e no setor dos serviços (-5,7%).

As exportações francesas caíram 6,5% nos primeiros três meses, enquanto as importações recuaram a um ritmo um pouco mais lento, de 5,9%.

11h10 (CET) Economia europeia encolhe-se devido à pandemia

A economia da zona euro recuou no primeiro trimestre 3,3% face ao período homólogo e 3,8% na comparação com o anterior, a maior queda registada desde 1995, segundo uma estimativa do Eurostat.

Na União Europeia (UE), o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 2,7% face aos primeiros três meses de 2019 e 3,5% na comparação com último trimestre do ano passado, refere hoje o Eurostat, que destaca o início em março do confinamento devido à covid-19.

11h00 (CET) Espanha regista queda no ritmo diário de mortes para menos de 300

Espanha anunciou esta manhã o registo de 268 novas mortes em 24 horas. O número global de óbitos no âmbito da pandemia é agora de 24.543 e o número de recuperados subiu mais de 3.100 para as 112.050 "altas" passadas a doentes recuperados do novo coronavírus.

Espanha tem cerca de 77 mil casos ativos de Covid-19.

10h35 (CET) Pandemia agrava desemprego na Alemanha

O número de poessoas desempregadas na Alemanha aumentou em mais 373 mil e, no primeiro impacto da Covid-19 no setor laboral, a maior economia da Europa chegou aos 2,64 milhões de pessoas sem trabalho: uma taxa de desemprego de 5,8%.

O Ministério do Trabalho germânico recebeu entre março e 26 de abril mais de 750 mil pedidos de trabalho em "part-time", uma ferramenta que o Governo alemão disponibiliza às empresas para reduzir temporariamente o tempo de trabalho dos empregados em tempos de crise e evitar o desemprego.

10h30 (CET) Luxemburgo pretende testar 100% da população

O ministro da Educação do Luxemburgo, Claude Meisch, revelou a intenção do governo testar todos os cerca de 600 mil habitantes deste país com fronteiras terrestres com França, Alemanha e Bélgica.

O executivo tem um orçamento de 40 milhões de euros para realizar os testes, noticia o jornal Luxembourg Times.

10h20 (CET) Utentes dos transportes de Lisboa exigem mais oferta

Os utentes dos transportes públicos da Grande Lisboa manifestaram hoje preocupação com o fim do estado de emergência, defendendo o ajuste da oferta à procura, para serem cumpridas as regras de distanciamento, e a manutenção das operações de desinfeção.

Em declarações à Lusa, Luísa Ramos, da Comissão de Utentes da Margem Sul, explicou que com a abertura de serviços de forma faseada é expetável que mais pessoas precisem dos transportes para se deslocarem para os empregos.

“Uma das nossas exigências será a reposição imediata de todas as carreiras que foram cortadas”, afirmou, lamentando que no início do estado de emergência a Transportes Sul do Tejo (TST) tenha entrado em ‘lay-off’.

10h10 (CET) Alemanha sofre mais 173 mortes e recupera mais três mil pessoas

A Alemanha regista 159.119 casos diagnosticados no país, um aumento de 1.478 em relação ao dia anterior, e uma subida de 173 vítimas mortais para um total de 6.288, de acordo com os números oficiais.

O Instituto Robert Koch (RKI) indica na página oficial uma subida de aproximadamente 3.100 novos casos considerados curados. São agora 123.500 pessoas em todo país que terão ultrapassado a covid-19.

Baviera continua a ser o estado federado que regista mais casos (42.080) e óbitos (1.799), seguindo-se a Renânia do Norte-Vestefália, com 32.687 casos e 1.219 vítimas mortais.

10h00 (CET) Rússia ultrapassa os 100 mil casos registados

O número de infeções diagnosticadas na Rússia subiram mais de sete mil registos em 24 horas e elevaram o total para 106.498 casos em todas as regiões do país.

De acordo com o centro de crise russo, já morreram 1.073 pessoas no âmbito da pandemia (mais 101 óbitos em 24 horas) e 11.619 recuperaram da doença (mais 1.333).

A telemedicina registou 3.397 consultas em mar4o, estabelecendo um recorde desde janeiro de 2013.

09h45 (CET) Greta Thunberg doa 100 mil dólares à Unicef

A adolescente sueca Greta Thunberg, que se tem tornado no símbolo global da luta contra as alterações climáticas, doou 100 mil dólares (92 mil euros) à Unicef para ajudar na assistência a crianças no âmbito da pandemia, anunciou o organismo afeto às Nações Unidas.

O dinheiro tem origem no Prémio Ação Humana entregue à jovem sueca pela "Human Act" e é doado através da fundação criada pela adolescente. A "Human Act" doou mais 100 mil dólares à Unicef para a mesma causa.

08h50 (CET) Timor-Leste tem apenas 12 casos ativos de infeção no país

Timor-Leste registou hoje um aumento significativo de casos recuperados da covid-19, para 16, com testes a serem feitos a várias pessoas que estavam em isolamento em Díli a darem negativo.

Sérgio Lobo, porta-voz do Centro Integrado de Gestão de Crise (CIGC), disse que do total de 24 casos confirmados, o país tem agora apenas 12 casos ativos.

“Temos um aumento grande do número de casos recuperados, mais 10”, disse Sérgio Lobo na conferência de imprensa diária de atualização da situação da covid-19 na Sala de Situação instalada no Centro de Convenções de Díli.

No que se refere a dois professores portugueses em isolamento após testes positivos, Sergio Lobo confirmou que ambos tiveram já uma primeira nova análise com resultado negativo, estando à espera da confirmação do segundo resultado negativo para poderem ter alta.

07h30 (CET) Número de cirurgias em queda e telemedicina a crescer em Portugal

O Serviço Nacional de Saúde revela terem sido realizadas em março menos 20 mil cirurgias do que no mesmo período do ano passado. O SNS registou também uma dominuição superior a 165 mil no número de consultas em hospitais, equivalente a uma quebra homóloga de 40%.

O estado de emergência poderá explicar a quebra pelas medidas de confinamento impostas e a redução da atividade económica no país.

Outras notícias do dia:

  • Governo de Portugal anuncia hoje as regras da nova fase de confinamento após o fim do estado de emergência na sexta-feira. As novas regras deverão ser implementadas na segunda-feira e deverão manter-se, em princípio, até 01 de junho, promovendo um gradual levantamento das restrições à atividade social e económica no país.
  • Parlamento de Moçambique reúne-se hoje para aprovar o prolongamento do estado de emergência no país até final de maio para prevenção da pandemia da doença respiratória covid-19, disse à Lusa fonte parlamentar. A reunião está marcada para as 13 horas locais (meio dia em Lisboa).
  • Bolsa de Tóquio abriu hoje a ganhar 2,6%, seguindo a tendência de Wall Street, onde os investidores reagiram positivamente à possibilidade do antiviral remdesivir ser um tratamento eficaz para a covid-19. O principal índice da bolsa de Tóquio, o Nikkei, subiu 2,6% para 20.284,57 pontos. O segundo indicador, o Topix, ganhou 1,76% para 1.474,66 pontos.

  • África já registou 1.589 mortes no âmbito da pandemia de Covid-19 e soma mais de 12 mil pessoas recuperadas da infeção, num total de 36.842 casos confirmados em todo o continente, a maior parte na África do Sul (5.350). Argélia é o país africano com mais mortos associados ao SARS-CoV-2, com 444 óbitos registados pela Centro de Controlo e Prevenção de Doenças do continente.

Africa CDC
Atualizado a 30 de abril de 2020Africa CDCMarques, Francisco
  • Coreia do Sul não registou esta quinta-feira, pela primeira vez desde 29 de fevereiro, qualquer caso novo de infeção local. O centro de controlo e prevenção de doenças sul-coreano anunciou apenas quatro novos casos importados, elevando o número total no país para os 10.765 registos de infeção. As mortes foram agravadas com mais um e são agora 247.

  • China registou quatro casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, todos oriundos do exterior, informou hoje a Comissão de Saúde do país. Não há registo de mais vítimas mortais no país até às 23h59 de quarta-feira, segundo as autoridades chinesas. O número de infetados ativos no país fixou-se em 619, depois de mais 32 pessoas terem tido alta. Desde o início da epidemia, a China registou, no total, 82.836 infetados e 4.633 mortos devido a Covid-19. Até ao momento, 77.610 pessoas tiveram alta.

  • Estados Unidos registaram 2.520 mortos em 24 horas com Covid-19 desde a atualização de quarta-feira. No total, pelo menos 60.853 pessoas morreram nos Estados Unidos no âmbito da epidemia. O número de infetados subiu para 1.038.451 com cerca de 120 mil pessoas a serem dadas como recuperadas.

  • Os Estados Unidos continuam a ser o país com registo de mais mortos e de casos confirmados. Seguem-se Itália (27.682 mortos, mais de 203 mil casos), Reino Unido (26.097 mortos, mais de 162 mil casos), Espanha (24.275 mortos, cerca de 213 mil casos), França (24.087 mortos, cerca de 169 mil casos).

Universidade Johns Hopkins
Atualizado às 05h32 de 30 de abril de 2020Universidade Johns HopkinsMarques, Francisco