Cabo Verde espera ter 2,6 milhões de máscaras até 20 de maio

Cape Verde Prime Minister, Ulisses Correia e Silva
Cape Verde Prime Minister, Ulisses Correia e Silva Direitos de autor PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP or licensors
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O número é cinco vezes superior à população do país, pouco acima do meio milhão de habitantes.

PUBLICIDADE

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, assegurou hoje que o país deverá estar apetrechado com, pelo menos, 2,6 milhões de máscaras cirúrgicas contra a pandemia de covid-19 para distribuir pelos profissionais de risco até 20 de maio.

“Temos previsto ter, até 20 de maio, mais de 2,6 milhões de máscaras cirúrgicas. Depois há mascaras profissionais e toda essa quantidade vai estar cada vez mais disponível para determinadas e diferentes finalidades”, afirmou o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, acrescentando: "Nós não só estamos a receber donativos, como estamos a comprar".

O governante, que falava à margem de uma visita a uma fábrica de produção de máscaras comunitárias, na cidade da Praia, explicou que esse ‘stock’ de máscaras cirúrgicas será utilizado por profissionais de saúde, mas também polícias, militares e elementos da proteção civil.

Trata-se de um número quase cinco vezes superior à população do arquipélago, que ronda os 550 mil habitantes.

O concelho da Praia, capital cabo-verdiana, na ilha de Santiago, registou hoje mais 11 casos confirmados da doença provocada pelo novo coronavírus, totalizando já 124 dos 186 contabilizados em todo o país. Além de Santiago, a ilha da Boa Vista, com 56 casos da doença, também permanece em estado de emergência, até às 24:00 de 14 de maio.

Com ou sem estado de emergência – as restantes sete ilhas habitadas deixaram progressivamente esse estado, mas continuam com várias restrições, desde logo a suspensão de todas as ligações interilhas -, o uso de máscara passou a ser obrigatório em todo o país, como medida de proteção social, no atendimento ao público em empresas estatais e privadas.

“A máscara vai passar a ser uma peça de indumentária. Assim como vestimos todos os dias camisa, calças, vamos ter também a máscara como uma peça de vestuário, para proteção individual, de cada um e dos outros”, afirmou Ulisses Correia e Silva, durante a visita à fábrica da Confeções Alves Monteiro, uma das indústrias locais certificada para a produção de máscaras comunitárias em Cabo Verde.

Recordando a criação, em abril, de um quadro legal favorável a esta produção local, com incentivos e isenções fiscais, para baixar o preço de venda, o chefe do Governo garantiu, no final da visita, que a capacidade de produção de máscaras em Cabo Verde está a evoluir a “bom ritmo”.

O governante acrescentou que sendo agora de uso obrigatório, o Estado vai fornecer máscaras, gratuitamente, às populações mais carenciadas.

“Vai fazer parte quase da cesta básica, para as famílias carenciadas que estão identificadas no cadastro social único e também para pessoas cuja idade seja superior a 65 anos e que tenham algum problema de saúde crónico”, reafirmou Ulisses Correia e Silva.

Cabo Verde tem 186 casos diagnosticados de covid-19, sendo 127 em Santiago – 124 concentrados na Praia, que se encontra em estado de transmissão local da doença – e 56 na Boa Vista. Há ainda registo de três casos da doença na ilha de São Vicente (todas da mesma família, dois considerados recuperados).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cabo Verde oficialmente livre de malária

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo

Rishi Sunak pede desculpa aos familiares das vítimas da Covid-19