Cabo Verde oficialmente livre de malária

Plataforma global contra a malária salienta esforços do país para erradicar a doença
Plataforma global contra a malária salienta esforços do país para erradicar a doença Direitos de autor Boris Grdanoski/AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Cabo Verde torna-se no terceiro país africano, depois da Ilha Maurícia e da Argélia, a obter este estatuto junto da Organização Mundial de Saúde.

PUBLICIDADE

A Organização Mundial de Saúde (OMS) certificou Cabo Verde como país isento de malária (também chamada paludismo), segundo um comunicado publicado agora pela RBM Partnership to End Malaria, principal plataforma global de combate à doença.

Cabo Verde junta-se assim a 42 outros países e um território que receberam antes este certificado por parte da OMS, e é apenas o terceiro país africano, depois da Ilha Maurícia e da Argélia, a conseguir este estatuto.

Segundo o comunicado, "Cabo Verde eliminou com sucesso a malária depois de implementar um plano estratégico de controlo da doença entre 2009 e 2013, que se centrou num diagnóstico alargado, em planos de tratamento precoces e eficazes e numa maior vigilância e notificação de todos os casos de malária. Quando surgiu uma epidemia de malária em 2017, Cabo Verde aproveitou a crise para identificar outras áreas de melhoria no seu plano de controlo da doença, o que resultou em três anos de zero casos autóctones". O documento frisa ainda que "o empenho do país na vigilância extensiva da malária durante a pandemia da COVID-19 manteve Cabo Verde livre da doença".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Malária pode agravar-se com aquecimento global e "montanhismo" dos mosquitos

Esperança na erradicação da malária

OMS apela a primeira campanha de vacinação contra a malária em África