Malária pode agravar-se com aquecimento global e "montanhismo" dos mosquitos

Os mosquitos estão em movimento à medida que as temperaturas sobem.
Os mosquitos estão em movimento à medida que as temperaturas sobem. Direitos de autor AP Photo/Rick Bowmer, File
De  AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

À medida que o planeta aquece, os mosquitos estão a migrar lentamente escalando as montanhas, conseguindo proliferar a maiores altitudes.

PUBLICIDADE

O intervalo de temperaturas em que os mosquitos transmissores da malária se desenvolvem está a aumentar em altitude. Os investigadores encontraram provas deste fenómeno desde as terras altas tropicais da América do Sul até às regiões montanhosas e populosas da África Oriental.

Os cientistas receiam agora que as pessoas que vivem em zonas outrora inóspitas para os insetos, incluindo as encostas do Monte Kilimanjaro e as montanhas do leste da Etiópia, possam ficar expostas à doença.

"À medida que fica mais quente nas altitudes mais elevadas devido às alterações climáticas e a todas estas alterações ambientais, os mosquitos podem sobreviver a maiores altitudes nas montanhas", afirma Manisha Kulkarni, professora e investigadora que estuda a malária na África Subsariana na Universidade de Ottawa.

Kulkarni liderou um estudo publicado em 2016 que concluiu que o habitat dos mosquitos transmissores da malária se expandiu na região de alta altitude do Monte Kilimanjaro em centenas de quilómetros quadrados em apenas 10 anos. As altitudes mais baixas, pelo contrário, estão a tornar-se demasiado quentes para os insetos.

Verificaram-se ocorrências semelhantes noutros locais. Por exemplo, em 2015, os investigadores também notaram que as aves nativas do Havai estavam a ser expulsas dos habitats de altitudes mais baixas, à medida que os mosquitos portadores da malária aviária migravam lentamente para cima para o seu território. Mas dado que 96% das mortes por malária ocorreram em África em 2021, a maior parte da investigação sobre esta questão encontra-se aí.

A região estudada por Kulkarni, que está a crescer em população, fica perto da fronteira entre a Tanzânia e o Quénia. Juntos, os dois países foram responsáveis por 6% das mortes por malária a nível mundial em 2021.

As mortes globais por malária diminuíram 29% entre 2002 e 2021, uma vez que os países adotaram táticas mais agressivas na luta contra a doença. No entanto, os números continuam elevados, especialmente em África, onde as crianças com menos de 5 anos representam 80% de todas as mortes por malária. O último relatório mundial sobre a malária da OMS registou 247 milhões de casos de malária em 2021 - só a Nigéria, a República Democrática do Congo, o Uganda e Moçambique foram responsáveis por quase metade desses casos.

"A ligação entre as alterações climáticas e a expansão ou alteração da distribuição dos mosquitos é real", afirmou Doug Norris, especialista em mosquitos da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, que não esteve envolvido na investigação.

Apesar disso, permanece a incerteza sobre a forma como a mudança das populações de mosquitos afetará as pessoas no futuro. Um estudo recente da Universidade de Georgetown, que investigou o movimento dos mosquitos em toda a África Subsariana, também concluiu que os vetores têm subido de altitude a um ritmo de 6,5 metros por ano.

Os mosquitos são exigentes quanto ao seu habitat, acrescentou Norris, e as várias espécies portadoras de malária têm preferências diferentes em termos de temperatura, humidade e quantidade de precipitação. Se acrescentarmos o facto de as pessoas estarem a combater a malária com redes mosquiteiras, inseticidas e outros instrumentos, torna-se difícil atribuir uma única tendência às alterações climáticas, afirmou.

"Alterações climáticas estão a ter impacto no local onde os mosquitos escolhem viver"

Jeremy Herren, que estuda a malária no Centro Internacional de Fisiologia e Ecologia de Insetos, sediado em Nairobi, disse que há provas de que as alterações climáticas já estão a ter impacto no local onde as populações de mosquitos escolhem viver. Mas, segundo ele, ainda é difícil prever como é que a malária se vai propagar.

Por exemplo, no Quénia, Herren disse que os investigadores documentaram "mudanças maciças" na malária em mosquitos. Uma espécie que já foi dominante é agora quase impossível de encontrar, disse. Mas essas mudanças não se devem provavelmente às alterações climáticas, explicou, acrescentando que a implantação de redes tratadas com inseticida é uma explicação para essa mudança.

Em geral, porém, os mosquitos crescem mais depressa em condições mais quentes, disse Norris.

O aumento das temperaturas também não é a única forma de as alterações climáticas darem vantagem aos mosquitos. Os insetos tendem a prosperar no tipo de extremos que estão a ocorrer com mais frequência devido às alterações climáticas causadas pelo homem.

Estações de chuva mais longas podem criar melhores habitats para os mosquitos, que se reproduzem na água. Mas, inversamente, se as secas podem secar esses habitats, também encorajam as pessoas a armazenar água em contentores, criando locais de reprodução perfeitos. Por estas razões, um surto de chikungunya, outra doença transmitida por mosquitos, entre 2004 e 2005, foi associado à seca na costa do Quénia.

Os investigadores também conseguiram associar uma redução dos casos de malária nas terras altas da Etiópia, no início da década de 2000, a um declínio das temperaturas que ocorreu na mesma altura.

Os padrões climáticos dos anos anteriores tinham estancado os efeitos do aquecimento global.

Pamela Martinez, investigadora da Universidade de Illinois Urbana-Champaign, afirmou que as conclusões da sua equipa sobre as tendências da malária na Etiópia, publicadas em 2021 na revista Nature, reforçaram a ideia de que a malária e a temperatura - e, por conseguinte, as alterações climáticas - estão ligadas.

PUBLICIDADE

"Vemos que quando a temperatura diminui, a tendência geral dos casos também diminui, mesmo na ausência de intervenção", disse Martinez. "Isto prova que a temperatura tem um impacto na transmissão".

Os investigadores também notaram que as populações de mosquitos aumentam durante os anos mais quentes.

As temperaturas começaram a aquecer novamente em meados da década de 2000, mas as autoridades de saúde pública também intensificaram os esforços para controlar a malária na região montanhosa da Etiópia nessa altura, o que levou a um declínio sustentado dos casos.

Mas mesmo quando o Ministério da Saúde da Etiópia elaborou um plano para eliminar a malária até 2030, os seus autores expuseram as ameaças a esse objetivo: mudanças na população, falta de financiamento, invasão de uma nova espécie de mosquito e alterações climáticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cabo Verde oficialmente livre de malária

Deputados alemães dão luz verde à legalização da canábis

Maior hospital do Alabama suspende fertilização in vitro