Última hora
This content is not available in your region

Epidemia dá "pedalada" às bicicletas

euronews_icons_loading
Epidemia dá "pedalada" às bicicletas
Direitos de autor  Christophe Ena/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Com o fim da primeira fase do confinamento em França e muitas pessoas a regressarem ao trabalho, a bicicleta está a ter mais sucesso que nunca. Se o carro não está ao alcance de todos, além de poluir e ser por vezes pouco prático, o transporte público é também uma opção que muitos querem evitar, já que veem nele um potencial risco acrescido de contágio.

A ganhar fica o meio visto como mais verde e mais ecomómico. Uma cliente de uma loja de bicicletas em Paris, onde o público fez fila para adquirir artigos em segunda mão a bom preço, diz que já tinha desistido de andar de bicicleta, mas decidiu voltar a este meio de transporte, porque tem medo de andar no metro.

Também em Itália este meio de locomoção está a ganhar "pedalada". A cidade de Roma introduziu 150 quilómetros de ciclovias, para incentivar os romanos a usar a bicicleta e poderem assim sentir-se mais seguros durante a epidemia de Covid-19, que já matou mais de 30 mil pessoas no país.

Como medida de segurança para evitar os contágios, os transportes públicos de Roma só permitem agora 50% da capacidade habitual A bicicleta ainda é pouco usada. Diz um ciclista: "Roma é uma cidade muito antiga e é difícil ter ciclovias inteiramente protegidas, mas este já é um passo importante".

Também Barcelona está a acrescentar ciclovias e a melhorar as existentes. A cidade catalã é já considerada uma das melhores do mundo para se andar de bicicleta.