Última hora
This content is not available in your region

Protestos na Alemanha a diminuir

euronews_icons_loading
Protestos na Alemanha a diminuir
Direitos de autor  Peter Dejong/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas voltaram a manifestar-se, este fim de semana, em várias cidades na Alemanha, em protesto contra as medidas restritivas, impostas pelo Governo de Angela Merkel, para combater a pandemia da Covid-19.

Em Berlim, as autoridades tentaram gerir a multidão de modo a manterem-se as medidas de segurança adequadas, onde se inclui o distanciamento social.

Uma missão difícil, como confirma a porta-voz da polícia da capital germânica, Anja Dierschke:

"É difícil. Temos cerca de 1000 polícias de serviço em todo a cidade para garantir que as manifestações possam ocorrer, mas, ao mesmo tempo, garantir que as regras de distanciamento social são cumpridas".

E quais são as motivações para estes protestos?

O especialista em conflitos e movimentos políticos Swen Hutter explica: "É uma mistura muito difusa de pessoas. Isso acontece por vezes em movimentos que estão relacionados com um acontecimento específico. Como temos esta pandemia específica de coronavírus e as restrições relacionadas com ela, é possível conseguir-se que um grande número de pessoas muito distintas se junte".

As manifestações espalharam-se um pouco por toda a Alemanha.

Por vezes, os grupos de direita tentam capitalizar os protestos de modo a atraírem mais simpatizantes.

Outras manifestações foram convocadas por grupos de esquerda ou antivacinas. No entanto, parece haver um denominador comum: a falta de confiança nas autoridades, como explica Simone Rafael da Amadeu Antonio Foundation.

"Muitas destas pessoas estão envolvidas em diferentes teorias da conspiração e quando se começam a envolver nessa visão do mundo, com antissemitismo, racismo, ideias de inimigos, então é muito difícil conseguir voltar atrás. Esse é o perigo para a sociedade, que tenhamos este grupo de pessoas, e está a crescer rapidamente, que acaba por se alienar da realidade e que procura procura soluções fáceis num mundo complicado."

Estes manifestantes pertencem a uma minoria na Alemanha. De acordo com as últimas sondagens, a maioria dos alemães aprovam as medidas adotadas pelo Governo de Angela Merkel para combater a pandemia da Covid-19. O número de manifestantes tem vindo a diminuir, como sublinha o repórter da euronews, Jona Källgren.

"A Alemanha reabriu a economia, mas mesmo assim, os protestos continuam. Apesar de serem mais pequenos do que há algumas semanas."