EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Crise do confinamento não abala estratega do Brexit

Conferência de imprensa de Dominic Cummings
Conferência de imprensa de Dominic Cummings Direitos de autor Jonathan Brady/AP
Direitos de autor Jonathan Brady/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Conselheiro do primeiro-ministro britânico não se arrepende do que fez e recebeu, novamente, o apoio de Boris Johnson

PUBLICIDADE

Sob enorme pressão da oposição e da opinião pública, o assessor principal de Boris Johnson recusa demitir-se e não mostra arrependimento por se ter deslocado com a família para fora de Londres, durante a fase mais dura do confinamento.

Na esperança de acalmar a controvérsia, Dominic Cummings deu uma explicação detalhada numa conferência de imprensa quase inédita para um conselheiro não eleito, tendo afirmado: 

"Nesta situação muito complexa, tentei exercer o meu julgamento o melhor que pude. Acredito que, em todas as circunstâncias, me comportei de forma razoável e legal, equilibrando a segurança da minha família e a situação extrema no número 10 e o interesse público, num governo eficaz para o qual eu poderia contribuir".

Boris Johnson, cuja autoridade na gestão da pandemia, está a ser questionada pelos críticos, manifestou apoio ao seu conselheiro pessoal:

"Não acredito que alguém no número 10 tenha feito alguma coisa que contrarie as nossas mensagens. O que queremos deixar absolutamente claro ao público é que a única forma de resolver este problema é mantendo-nos alerta, seguindo as directrizes, controlando o vírus e salvando vidas".

Dominic Cummings recebeu também o apoio público de outros membros do governo, como Dominic Raab e Michael Gove:

Cummings é acusado de desrespeitar as restrições de confinamento, ao deslocar-se com a família para uma região a 400 quilómetros de Londres. Alega que foi levar o filho de quatro anos, para que os avós pudessem cuidar dele se ele e a mulher ficassem doentes, numa altura em que Boris Johnson tinha sido infetado e a situação em Downing Street era muito difícil.

O estratega do Brexit admite que foi um erro não ter consultado Boris Johnson antes da viagem e afirma compreender o rancor da população, mas sublinha que grande parte da aversão popular se baseia em reportagens que não são verdadeiras.

A oposição reclama o afastamento de Cummings e afirma que, afinal, existem umas regras para o conselheiro e outras para a população.

As críticas têm sido imensas, mesmo no campo conservador e até no círculo do poder. Numa conta Twitter do governo surgiu uma mensagem contra a dupla Johnson/Cummings que foi apagada de imediato. JK Rowling, a criadora de Harry Potter, ofereceu-se para pagar um ano de salário ao autor do tweet, se este for descoberto.

A pressão sobre o primeiro-ministro mantém-se, apesar da vontade do governo de encerrar o capítulo da "polémica Cummings".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Unionistas terminam bloqueio: parlamento da Irlanda do Norte pode retomar atividade no fim de semana

Rishi Sunak pede desculpa aos familiares das vítimas da Covid-19

Covid longa afeta milhares de pessoas em Inglaterra