Última hora
This content is not available in your region

Serviços de assistência remota em expansão na República Checa

euronews_icons_loading
Serviços de assistência remota em expansão na República Checa
Direitos de autor  Elise Amendola/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Numa altura em que a pandemia de coronavirus já varreu empregos e tornou vazios os escritórios, as companhias de serviços que fornecem assistência remota encontram-se em expansão.

A transformação digital tornou-se importante e criou novas oportunidades para os centros de negócios na República Checa.

De acordo com a associação Líderes de Negócios de Serviços (ABSL), quase todos os centros de negócios continuaram a contratar. Alguns transferiram operações da região Ásia Pacífico para a Europa.

“No nosso setor existem 120 mil pessoas que trabalham no setor dos serviços e mais de 90 % das empresas conseguiram colocar as pessoas a trabalhar a partir de casa. Não tiveram que fechar fábricas ou interromper a produção. Simplesmente continuaram a trabalhar a partir de casa quando tudo se transformou para o digital. Não assistimos a um decréscimo na produtividade”, explica Jonathan Appleton, diretor executivo da ABSL.

Graças ao fim do confinamento, as companhias começaram uma nova fase esta semana no país com um regresso controlado dos empregados aos locais habituais de trabalho.

“A primeira vaga na nossa empresa vai ser cerca de 300 empregados de um total de 2 mil e vamos depois aumentar até 50% mas a continuar a encorajar o trabalho a partir de casa. Parte dos nossos funcionários está desejosa de regressar assim que possível, apesar de dizerem que podem continuar a trabalhar a partir de casa por um período mais longo", explica Iveta Chvalova, diretora executiva da SAP Services.

"A República Checa é um bom país para se fazer negócios e esta crise pandémica demonstra que mesmo em momentos críticos é possível expandir negócios. Os centros de assistência conquistaram negócios da região da Ásia pacífico e acreditamos que será por um longo período”, refere Petr Ocko, vice-ministro do Comércio e do Trabalho.