Última hora
This content is not available in your region

Autoridades das Canárias receiam chegada de migrantes durante a pandemia

euronews_icons_loading
RTVE
RTVE   -   Direitos de autor  Polícia espanhola junto à embarcação que transportou migrantes clandestinos até às Canárias
Tamanho do texto Aa Aa

Nos últimos dois meses mais de mil migrantes desembarcaram nas Ilhas Canárias em busca do sonho europeu. Esta terça-feira, foi a vez de 86 pessoas chegarem em duas embarcações de madeira, vindas do continente africano.

Mas o sonho de uns está a tornar-se no pesadelo de quase todos e a gerar uma onda de tensão, em particular durante a pandemia de covid-19.

Os problemas começam logo no acolhimento. Assim que chegam, os migrantes são submetidos a duas semanas de quarentena. No entanto, as autoridades não chegam a consenso sobre quem os deve receber e queixam-se de não haver um protocolo que estabeleça condições básicas para o fazerem.

O ambiente entre a polícia é de mal-estar, sobretudo depois de alguns agentes terem tido de prestar apoio a migrantes sem saberem se estavam infetados.

Pablo Moscoso, do sindicato da polícia Jupol, afirma que "a gestão é um desastre", e revela que o sindicato a que pertence pondera "levar a cabo uma ação judicial para preservar a saúde dos polícias e a saúde pública em geral".

Até ao momento, foram confirmados três casos de infeção por coronavírus entre os migrantes que chegaram clandestinamente às Canárias.

O receio de contágio é também ele contagiante e chegou às Organizações Não-Governamentais (ONG). Antonio Rico, da Cruz Vermelha espanhola nas Canárias, admite mesmo que "existe um pouco de medo em relação a esta situação e toda a gente tenta que seja outra pessoa a atender os migrantes".

De acordo com as autoridades, nem sempre é fácil encontrar lugares para quem chega cumprir a quanrentena.