EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Protestos e violência em São Paulo

Protestos e violência em São Paulo
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Nara Madeira com AFP, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Manifestações contra e a favor do presidente brasileiro agitam São Paulo. Polícia militar trava protesto com gás lacrimogéneo.

PUBLICIDADE

Em São Paulo, no estado mais populoso do Brasil e aquele que soma o maior número de casos de Covid-19, manifestantes pró e contra Jair Bolsonaro enfrentaram-se e entraram em confrontos tendo a Polícia Militar no meio a tentar acalmar os ânimos.

Enquanto a Folha de São Paulo diz que Bolsonaro não cumpriu, para já, as promessas que fez para travar a pandemia e que os números avançados não correspondem à realidade, que uma parte dos mortos pode estar a ser contabilizada apenas no mês seguinte, há brasileiros que criticam a ação do presidente.

Os manifestantes contra o presidente brasileiro, um primeiro grupo de adeptos de clubes de futebol da cidade, pediam Democracia naquele que é o segundo país mais afetado pela pandemia, a nível mundial, mas acabaram por receber, dos agentes, gás lacrimogéneo e gás pimenta.

Do outro lado da barricada apoiantes de Jair Bolsonaro pediam a reabertura do comércio, encerrado devido à pandemia que já matou mais de 28 mil brasileiros e infetou mais de 500 mil, e criticavam a ação do Supremo Tribunal que está a investigar um grupo de apoio ao chefe de Estado, os chamados "300 do Brasil".

Bolsonaro, desafiando as medidas de segurança e sanitárias, juntou-se a dezenas de apoiantes, em Brasília, que protestavam contra as medidas restritivas aplicadas por alguns governadores e presidentes de câmara para conter a pandemia de Covid-19.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brasil ultrapassa os 25.600 mortos por Covid-19

Bolsonaro amado e odiado em Brasília

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas