Última hora
This content is not available in your region

Covid-19: Os números e as notícias de sexta-feira, 12 de junho

Mothers feed their children during the first day of the 6th World Breastfeeding Week
Mothers feed their children during the first day of the 6th World Breastfeeding Week   -   Direitos de autor  Lionel Cironneau/AP2011
Tamanho do texto Aa Aa

A pandemia de Covid-19 já infetou mais de 7,5 milhões de pessoas em pelo menos 188 países, à data de hoje.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, este novo coronavírus estará ligado a mais de 421 mil mortes. Cerca de 3,5 milhões de pessoas já recuperaram da doença provocada pelo SARS-CoV-2.

Recorde aqui as notícias do dia:

21h19 (CET): Angola com 12 novos casos positivos e um acumulado de 130 infeções

Angola registou 12 novas infeções pelo novo coronavírus, elevando para 130 os casos positivos, com cinco óbitos e 42 recuperados, informou hoje a ministra da Saúde angolana, Sílvia Lutucuta.

Segundo a governante, os novos casos são de doentes entre os 11 e 92 anos, metade são importados da Rússia e os restantes de contaminação local, nomeadamente da cerca sanitária da Clínica Multiperfil (2) e do bairro Hoji Ya Henda (4).

20h46 (CET): França regista menos de 30 mortes pelo terceiro dia consecutivo

Morreram mais 28 pessoas em França, nas últimas 24 horas, por Covid-19, elevando para 29.374 as vítimas mortais no país desde o início da pandemia.

O número de pessoas hospitalizadas continua a baixar, registando-se esta sexta-feira uma diminuição de 341 pessoas hospitalizadas do que no dia anterior. França tem agora 11.124 pessoas internadas devido à infecção por Covid-19.

As autoridades de saúde francesas divulgaram também que desde o início da pandemia, 72.572 pessoas já foram consideradas curadas.

20h08 (CET): OMS diz que leite materno não tem ligação com a propagação do coronavírus

As mães que amamentam não parecem estar a transmitir o Covid-19 aos seus bebés, afirmou um perito da Organização Mundial de Saúde.

As novas mães infetadas com o vírus devem poder continuar a amamentar se quiserem e não devem ser separadas dos seus bebés, afirmou a OMS, salientando que os benefícios superam os riscos.

O chefe da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que a agência de saúde da ONU investigou exaustivamente os riscos de as mulheres transmitirem o novo coronavírus aos bebés quando amamentam.

Sabemos que as crianças correm um risco relativamente baixo de Covid-19, mas correm um risco elevado de numerosas outras doenças e condições que o aleitamento materno previne.

Com base nos dados disponíveis, o conselho da OMS é que os benefícios da amamentação superam quaisquer riscos potenciais de transmissão do Covid-19.

19h50 (CET): Bolívia com recorde de contágios diários

A Bolívia registou hoje um recorde de casos diários de Covid-19, ao confirmar 884 novas pessoas infetadas, elevando o total para 16.165 pacientes, contabilizando, de forma acumulada, 553 óbitos.

Estimativas do Ministério da Saúde boliviano apontam para 100.000 casos no final de julho, depois de as primeiras notificações positivas terem sido registadas a 11 de março, relativas a duas mulheres que tinham regressado ao país a partir da Europa.

Dias depois, o Governo interino da Bolívia, que foi o último Estado sul-americano a registar casos do novo coronavírus, impôs o encerramento das fronteiras e suspendeu os voos internacionais para, mais tarde, a 22 de março, aplicar um regime de confinamento rígido, que se estendeu até ao início deste mês.

19h40 (CET): Pandemia tira mais de 11% ao PIB de Cabo Verde em 2020 – Governo

A economia cabo-verdiana deverá perder este ano 223 milhões de euros devido à pandemia de covid-19, o equivalente a mais de 11% do Produto Interno Bruto (PIB) do país estimado para 2020, segundo o Governo.

O Governo cabo-verdiano estimava para 2020 um PIB de 211.095 milhões de escudos (1.909 milhões de euros), mas cuja revisão aponta agora para 186.372 milhões de escudos (1.685 milhões de euros).

"Com o fecho das fronteiras e a paralisação completa da procura de serviços turísticos, e especialmente por estrangeiros, mas também com a redução de outras atividades económicas, do emprego e porventura do consumo, o volume as importações reduziram-se e, por consequência, as receitas fiscais conexas, quanto a própria contribuição turística", acrescenta o relatório.

19h17 (CET): Volta à Espanha terá 18 etapas e já não passará por Portugal devido ao surto

O traçado definitivo da edição da 75.ª da Volta à Espanha em ciclismo, que vai decorrer entre 20 de outubro e 08 de novembro, terá 18 etapas, sem passar por estradas portuguesas devido à crise sanitária do novo coronavírus.

Com efeito, as três cidades portuguesas que constavam do itinerário da Vuelta - Porto, Matosinhos e Viseu - foram substituídas por outras, espanholas, devido à situação excecional causada pela covid-19, na sequência de uma decisão conjunta dos municípios destas três cidades lusas e da empresa organizadora da prova, a Unipublic.

A Volta à Espanha parte de Irún, no dia 20 de outubro, com uma etapa em linha com a meta no Alto de Arrate, e termina em Madrid, a 08 de novembro.

18h24 (CET): Itália regista mais 56 mortes e 163 novos casos de infeção

Itália registou mais 56 mortes provocadas pela Covid-19 (ligeira subida em relação aos 53 do dia anterior), o que faz aumentar o número total de óbitos para 34.223.

O boletim de hoje da Proteção Civil regista ainda mais 163 casos de infecção, para um total de 236.305 desde o início da pandemia. Na quinta-feira, o país tinha registado 379 novos casos, mas tal deveu-se a um erro na contagem dos dados na região de Campânia.

Nos hospitais italianos continuam internadas 3.893 pessoas com Covid-19, das quais 227 em unidades de cuidados intensivos.

18h03 (CET): Brasil regista 41.162 mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos de imprensa

Levantamento feito por jornalistas de O Globo, G1, Extra, Estadão, Folha e UOL, a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, revela que o Brasil registou até agora mais de 41 mil mortes associados ao coronavirus e que o número de casos confirmados ultrapassou já os 809 mil.

A parceria entre os veículos de comunicação foi feita em resposta à decisão do governo de Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de Covid-19.

17h51 (CET): Moçambique ultrapassa as 500 infeções

Moçambique registou, nas últimas 24 horas, mais 20 casos positivos de Covid-19, elevando o total de infetados pelo novo coronavírus de 489 para 509 e mantendo dois óbitos, anunciou o Ministério da Saúde.

Dos 509 casos registados em Moçambique, 459 são de transmissão local e 50 são importados, havendo registo de dois mortos e três internados, que estão na província de Nampula, o primeiro local de "transmissão comunitária", segundo as autoridades.

O Ministério da Saúde indicou ainda que 145 pessoas estão recuperadas.

17h44 (CET): Espanha sem novos óbitos pelo sexto dia consecutivo

Espanha manteve hoje o número total de 27.136 mortes devido à pandemia de Covid-19 pelo sexto dia consecutivo, mas contabiliza 25 óbitos nos últimos sete dias, segundo os últimos dados distribuídos pelo Ministério da Saúde espanhol.

De acordo com as autoridades sanitárias do país, houve 155 novos casos detetados com a doença nas últimas 24 horas diagnosticados com o teste PCR, elevando para 243.209 o total de infetados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

Os dados diários indicam ainda que já passaram pelos hospitais 124.584 pessoas com Covid-19, tendo dado entrada na última semana 141.

17h08 (CET): Brasil regista subida de 53% na proporção de infetados em duas semanas

A proporção de população brasileira com anticorpos para a Covid-19 aumentou 53% em apenas duas semanas, segundo uma investigação científica realizada pela Universidade de Pelotas (Ufpel)

O levantamento faz parte da segunda fase de um projecto chamado Epicovid19, que contou com 31.165 testes e entrevistas realizados entre os dias 4 a 7 de Junho em todo o país. A primeira fase do estudo aconteceu de 14 a 21 de Maio e contou com 25.025 testes e entrevistas.

A Ufpel informou que testes realizados em 83 cidades com 200 ou mais pessoas nas duas fases do levantamento apontaram que a proporção da população brasileira com anticorpos da Covid-19 aumentou de 1,7% na fase 1 para 2,6% na segunda fase da investigação científica.

“Esse aumento de 53% foi estatisticamente significativo e é inédito em estudos similares. Por exemplo, em Espanha, um estudo semelhante indicou um aumento de apenas 4% entre as duas etapas da pesquisa”, indica um relatório da Ufpel com os resultados preliminares da investigação.

17h00 (CET): Noruega vai reabrir fronteiras com países nórdicos com condições

A Noruega vai abrir na segunda-feira as suas fronteiras aos países nórdicos, excluindo nesta fase quase a totalidade da Suécia, onde a epidemia de novos coronavírus continua ativa, anunciou hoje o Governo norueguês.

Oslo já planeara permitir viagens com a Dinamarca a partir de 15 de junho e agora vai estender a autorização à Finlândia, Islândia e Suécia, "mas isso só diz respeito a regiões onde o nível de epidemia é aceitável", disse a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg, numa conferência de imprensa.

A partir de segunda-feira, o país nórdico também aumentará de 50 para 200 pessoas o tamanho dos grupos autorizados no espaço público, com a condição de respeitar uma distância física. Ginásios, centros aquáticos e piscinas também estão autorizados a reabrir a partir dessa data.

16h33 (CET): Número de mortes e de novos casos voltam a subir no Reino Unido

O Reino Unido registou esta sexta-feira mais 202 mortos por Covid-19, uma subida de 51 óbitos em comparação com quinta-feira, elevando o total de vítimas mortais para 41.181.

As autoridades de saúde britânicas registaram também mais 1.541 novos casos do novo coronavírus, um aumento de 275 em relação às 24 horas anteriores (quando se registaram 1266). No total, já foram confirmados no país 292.950 casos de Covid-19.

16h12 (CET): Governo alemão aprova primeiras medidas do plano de relançamento da economia

O Conselho de Ministros alemão aprovou hoje várias medidas do plano de relançamento da economia, estimado em 130.000 milhões de euros, que combina alívios fiscais com apoios a empresas e famílias, depois da recessão gerada pela pandemia da Covid-19.

Um dos pontos principais do pacote de medidas acordado pelos partidos da coligação do Governo na semana passada é a redução temporária do IVA de 19% para 16%, com o propósito de estimular a procura interna, e também uma descida do IVA para bens de primeira necessidade e outros produtos como livros de 7% para 5%.

As novas taxas vão aplicar-se durante seis meses e entram em vigor a 01 de julho e o propósito, segundo o ministro das Finanças, Olaf Scholz, é que os consumidores não adiem certas aquisições.

14h55 (CET): Brasil regista mais de 41 mil mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos de imprensa

Levantamento feito por jornalistas de O Globo, G1, Extra, Estadão, Folha e UOL, a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, revela que o Brasil registou até agora tem 41.058 mortes associados ao coronavirus e que o número de casos confirmados ultrapassou já os 805 mil.

A parceria entre os veículos de comunicação foi feita em resposta à decisão do governo de Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de Covid-19.

14h30 (CET): Portugal com 1.505 mortos e 36.180 infetados

Portugal regista hoje 1.505 mortes relacionadas com a Covid-19, mais uma do que na quinta-feira, e 36.180 infetados, mais 270, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Os dados da Direção-Geral da Saúde indicam que 759 vítimas mortais são mulheres e 746 são homens.

Das mortes registadas, 1.016 tinham mais de 80 anos, 288 tinham entre 70 e 79 anos, 133 entre os 60 e 69 anos, 48 entre 50 e 59, e 17 entre 40 e 49.

Há ainda duas mortes registadas entre os 20 e os 29 anos e uma na faixa etária entre os 30 e os 39 anos.

Reveja aqui a Conferência de Imprensa da Direção Geral de Saúde

14h10 (CET): Alemanha regista abrandamento do número diário de vítimas mortais

A Alemanha registou oito óbitos por Covid-19 nas últimas 24 horas, uma desaceleração do número diário de vítimas mortais, elevando o total para 8.763 desde o início da pandemia.

O Instituto Robert Koch (RKI) indica, na sua página oficial, que são vários os estados federados no país que não registaram vítimas mortais num dia, como Berlim ou Hamburgo.

No total, a Alemanha regista 185.674 casos de Covid-19, mais 258 do que no dia anterior, e 171.600 casos considerados curados, um aumento de 400.

14h03 (CET): Bélgica com menos casos e mortes por Covid-19

A Bélgica registou nas últimas 24 horas um recuo do número de novos casos de Covid-19, para 108, e de mortes, para 10, mantendo-se o risco de transmissão abaixo de um, segundo dados oficiais hoje divulgados.

De acordo com o boletim epidemiológico de hoje, foram registados 108 novos casos nas últimas 24 horas (142 na quinta-feira), para um total de 59.819.

O boletim dá ainda conta de dez mortes nas últimas 24 horas (face às 16 reportadas no dia anterior), totalizando as 9.646 desde o início da epidemia, em fevereiro.

13h51 (CET): Milhões de crianças podem ser empurradas para o trabalho infantil - UNICEF e OIT

Milhões de crianças correm o risco de serem empurradas para o trabalho infantil como consequência da atual pandemia de Covid-19, alertam hoje o Fundo das Nações Unidas para a Infância e a Organização Mundial do Trabalho (OIT).

No documento, a UNICEF e a OIT lembram que "atualmente, o encerramento temporário de escolas está a afetar mais de mil milhões de alunos e alunas em mais de 130 países. Mesmo quando as aulas recomeçam, algumas famílias podem já não ter condições económicas para que os seus filhos e filhas voltem à escola".

Desta forma, a nível global, mais crianças podem ser forçadas a trabalhar em "empregos que as exploram e as põem em perigo".

"Muitos milhões de crianças correm o risco de serem empurradas para o trabalho infantil em resultado da crise da covid-19, e que pode levar pela primeira vez a um aumento do trabalho infantil após 20 anos de progresso", conclui o documento conjunto.

13h33 (CET): África regista mais de 216 mil casos e 5.756 mortos

O continente africano regista hoje mais de 216 mil casos de Covid-19, contabilizando 5756 mortos, mais 78 do que na quinta-feira, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

Os mais recentes dados da pandemia no continente indicam que o número de infetados passou de de 209.438 para 216.446, ou seja mais 7.008 pessoas com o novo coronavírus.

Entre os países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infeções, com 1.389 casos, registando 12 mortos.

13h30 (CET): Grandes Prémios de F1 de Azerbaijão, Singapura e Japão cancelados

Em nota publicada no sítio oficial da Fórmula 1 na Internet, os promotores do Campeonato do Mundo referem que, "em resultado dos desafios apresentados pela (pandemia de) Covid-19", os organizadores locais "decidiram cancelar os seus eventos em 2020".

"Estas decisões foram tomadas devido a diferentes desafios que os nossos promotores enfrentam nestes países. Em Singapura e Azerbaijão, o tempo necessário para construir circuitos citadinos fez com que receber eventos durante este período de incerteza se tornasse impossível e, no Japão, as restrições às viagens ainda em vigor levaram à decisão de não realizar a corrida", lê-se na mesma nota.

Leia aqui o artigo completo