Última hora
This content is not available in your region

Polícias franceses protestam nas ruas

euronews_icons_loading
Polícias franceses protestam nas ruas
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Cansados de ser apontados a dedo pela população e a sentirem-se abandonados pelo governo, os polícias franceses saíram à rua, numa enorme vaga de protesto.

As palavras do ministro do Interior na segunda-feira foram a gota de água que fez transbordar a paciência dos agentes da autoridade. Christophe Castaner anunciou que "a partir de agora será sistematicamente equacionada a suspensão de um agente suspeito ou acusado de atos racistas".

O secretário-geral do sindicato Aliança Polícia Nacional, Fabien Vanhemelryck responde :

"Os comportamentos inadaptados no seio da polícia sempre foram castigados, sempre que houve derrapagens. É preciso que se saiba, de uma vez por todas - e é isso que nos enerva - que a polícia francesa é uma das mais controladas no mundo. Por isso, quando há derrapagens da parte de uma ínfima minoria, não devemos estigmatizar todos os polícias".

Outro anúncio que os polícias não gostaram de ouvir foi o de que o chamado "método de estrangulamento" que consiste em apanhar os suspeitos pelo pescoço, será abandonado e que esta técnica deixa de ser ensinada nas escolas da polícia.

Sylvain Charenat, outro sindicalista da Aliança Polícia Nacional, lamenta: "Estamos a pôr em causa esta famosa técnica de estrangulamento. Não sei como é que os meus colegas vão poder trabalhar serenamente na via pública. Eles estão muito expostos. É perigoso!

Sindicalista da SGP, Ludovic Bonnett, desafia: "Eu gostaria que me mostrassem como fazemos para deter alguém sem agarrar a pessoa pelo pescoço. É impossível com um indivíduo que se retesa, podemos ser um, dois ou três colegas mas, se não o agarrarmos pela cabeça, será complicado controlá-lo".

Em protesto, os polícias depositaram simbolicamente as algemas no chão. A reação do governo foi provocada pelas manifestações em França, na sequência do caso George Floyd, nos Estados Unidos.

Agastados já pela tensão da vaga de manifestações dos últimos dois anos com o movimento dos "coletes amarelos" e o protesto pela reforma das pensões; cansados de serem mobilizados continuamente fora das atribuições normais de manutenção da ordem pública, os polícias franceses refletem, por sua vez, nas ruas, o mal-estar que atravessa a sociedade francesa.