Última hora
This content is not available in your region

OMS vê estabilização da pandemia no Brasil mas pede cautela

OMS vê estabilização da pandemia no Brasil mas pede cautela
Direitos de autor  Leo Correa/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse hoje que o surto de covid-19 no Brasil estabilizou, com um menor crescimento de novos casos diários, mas ainda é precoce concluir se a doença já atingiu o seu pico no país.

"O crescimento não é tão exponencial como era anteriormente. Há alguns indícios de que a situação se estabilizou, mas vimos em outros países que, após alguma estabilização, os casos podem aumentar novamente", alertou o diretor do programa de Emergências Sanitárias da OMS, Michael Ryan.

Segundo o especialista, "é um momento para se ser extremamente cauteloso e continuar com o foco em medidas de distanciamento físico, higiene e redução de eventos de massas".

Nesse sentido, Ryan pediu especial apoio aos grupos mais vulneráveis face à pandemia, como as minorias indígenas ou pessoas que vivem em favelas e em outras áreas pobres, onde o distanciamento social e as medidas de higiene são mais difíceis de aplicar.

O diretor disse ainda que o Brasil, segundo país com mais mortos e infetados pela covid-19 no mundo, é uma nação "com uma longa história" de combate a doenças epidémicas, e que "pode controlar a doença com sucesso" se permanecer unido.

O Brasil contabilizou na terça-feira 1.282 óbitos e 34.918 infetados, registando um novo recorde diário de casos de infeção, segundo dados do executivo brasileiro.

No total, o país sul-americano conta com 45.241 vítimas mortais e já ultrapassou a barreira dos 900 mil casos confirmados de covid-19, totalizando 923.189 pessoas diagnosticadas desde o início da pandemia.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 443 mil mortos e infetou mais de 8,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.