Última hora
This content is not available in your region

Berlim mostra como se "arrumam" estátuas polémicas

euronews_icons_loading
Berlim mostra como se "arrumam" estátuas polémicas
Direitos de autor  Gregor Fischer/AP
Tamanho do texto Aa Aa
JOHN MACDOUGALL/AFP
Parte das 96 estátuas comissionadas por Guilherme II da AlemanhaJOHN MACDOUGALL/AFP

Estão arrumadas numa sala da Cidadela de Spandau, em Berlim, as polémicas estátuas que Guilherme II, Rei da Prússia e último Imperador da Alemanha, mandou erguer na chamada Avenida da Vitória. As representações de distintos prussianos ainda fizeram parte da narrativa nazi, mas as que sobreviveram às duas guerras dos século passado estiveram escondidas até há bem pouco tempo.

O Museu de História de Spandau guarda muitas representações polémicas. A diretora considera que os alemães estão uns passos à frente na forma de lidar com o passado negro. Berlim é um exemplo disso, cheia de sinais do periodo nazi e da ditadura soviética. Mas Urte Evert admite que falta saber lidar com as representações do colonialismo - uma polémica já antiga nos Estados Unidos, Reino Unido ou França.

O objetivo deste museu em Berlim é enquadrar as obras, sobretudo do ponto de vista histórico. Seja o "Decatlo", traçado a pedido de Hitler para os jogos olímpicos de 1936, ou a cabeça de Lenine, que era central na praça que levava o nome do antigo líder soviético e que hoje se chama Praça das Nações Unidas.

A figura "Negra de Cócoras", já tinha também como destino a Cidadela. Nos últimos anos foi alvo de vários atos de vandalismo e as autoridades decidiram retirá-la do espaço público, considerando-a racista. Esta semana voltou a ser vandalizada. Foi decapitada e a cabeça está em parte incerta.