Navio "Ocean Viking" declara estado de emergência a bordo

Navio "Ocean Viking" declara estado de emergência a bordo
Direitos de autor AFP
De  Pedro Sacadura com EFE, AFP, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Embarcação com mais de uma centena de migrantes resgatados a bordo continua à espera de um porto seguro para atracar. Há relatos de tentativas de suícidio e do aumento da tensão no interior do navio humanitário.

PUBLICIDADE

A aparente tentativa de suicídio de seis migrantes, que se lançaram às aguas do mar Mediterrâneo, a par do desespero e angústia diagnosticados entre outros ocupantes do "Ocean Viking" levaram o navio humanitário fretado pela organização não-governamental (ONG) SOS Méditerranée a declarar o estado de emergência a bordo.

O navio resgatou, em cinco dias, 180 pessoas no quadro de operações distintas nas regiões de Malta e Itália. À data de hoje continua a aguardar por um porto europeu seguro para atracar e desembarcar. A bordo, há um elevado nível de ansiedade.

"Não podemos aceitar esta situação. As pessoas não podem saltar. Esta situação cria problemas e não resolve nada. Há cerca de quatro anos e meio que trazemos pessoas para um lugar seguro, mas é a primeira vez nesse espaço de tempo que se passa semelhante coisa", sublinhou Nicholas Romaniuk, responsável pelas operações de resgate no "Ocean Viking."

De acordo com a SOS Méditerranée vários migrantes envolveram-se em confrontos e chegaram a ameaçar elementos da tripulação. A ONG deu conta, esta sexta-feira, de uma pessoa que tentou enforcar-se a bordo.

O "Ocean Viking" efetuou seis pedidos às autoridades italianas e maltesas para atracar, mas a SOS Méditerranée diz que as respostas foram negativas e sem apresentação de soluções.

A bordo encontram-se uma mulher grávida de cinco meses e 25 menores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais gás para a UE através do Corredor Meridional

O que é um "spitzenkandidat"?

Separatistas da Transnístria pedem a Moscovo "proteção" contra a pressão da Moldova