EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Videoconferência aproxima Sérvia e Kosovo

Videoconferência aproxima Sérvia e Kosovo
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Regresso à mesa de negociações acontecerá na próxima quinta-feira, em Bruxelas

PUBLICIDADE

Sérvia e Kosovo voltam a sentar-se à mesa de negociações depois de vinte meses de costas voltadas. As duas partes discutiram este fim de semana por videoconferência, num encontro virtual promovido por Bruxelas e onde foi dado um passo importante para resolver um impasse que se vem arrastando desde a declaração da independência dos kosovares.

De acordo com o representante da UE para o diálogo Belgrado-Pristina, Miroslav Lajčák, as duas partes "chegaram a acordo sobre os principais elementos do processo" e também se entenderam na data para o próximo encontro, presencial, já na próxima quinta-feira, em Bruxelas.

A União Europeia congratulou-se com o resultado da videoconferência mas para o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, "será necessária coragem política de ambas as partes, compromisso, espírito de cooperação e pragmatismo."

As relações entre os dois estados continuam marcadas pelas feridas da guerra que se seguiu ao fim da Jugoslávia. Em 2008, o Kosovo declarou independência, praticamente metade dos membros das Nações Unidas reconheceu a declaração unilateral mas Belgrado não cede e continua a reclamar jurisdição sobre o território kosovar.

O entendimento é fundamental para ambos terem aspirações a entrar na família europeia. Sob a mediação de Bruxelas, Belgrado e Pristina já manifestaram intenção de se aproximar mas as intenções nunca se traduziram em resultados concretos. Têm agora mais uma tentativa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sérvia assinala 25 anos sobre ofensiva militar croata

"Este é o preço da liberdade"

Genocídio de Srebrenica: manifestantes pró-sérvios voltam a protestar contra resolução da ONU