Última hora
This content is not available in your region

Canárias começam a receber turistas

euronews_icons_loading
Canárias começam a receber turistas
Tamanho do texto Aa Aa

As Ilhas Canárias começam a receber, lentamente, os primeiros turistas internacionais. Não se impõe isolamento ou quaisquer testes para quem aqui chega. Ainda assim há máscaras, controlo de temperatura, procura manter-se o distanciamento social.

Em hotéis e locais públicos, as medidas sanitárias são rigorosas o que agrada aos visitantes. Um turista alemão disse à euronews sentir-se seguro no hotel e que é uma boa altura para estar ali. Outra acrescentou que "está tudo bem organizado e que se sente em segurança".

Apenas metade dos hotéis das Ilhas Canárias reabrem este verão. Um deles abriu as portas há apenas alguns dias e não excede 50% da taxa de ocupação para garantir o distanciamento social, como explica o diretor, Enrique Montes:

"É uma forma de reativar o setor turístico do sul. É evidente que a economia não está no topo da lista de prioridades porque as medidas de segurança são vitais e é nisso que estamos a trabalhar, fundamentalmente", adianta.

Espanha perderá cerca de 83 mil milhões de euros este ano. O setor de Turismo sofrerá uma quebra de 70%, segundo a Organização Mundial do Turismo. Mas o secretário-geral do organismo mostra-se confiante:

"Existe menos risco de uma escalada no número de infetados porque há mais controlo, as pessoas são mais responsáveis, os turistas são mais responsáveis.

Este ano será muito difícil, mas estamos otimistas quanto ao poder do turismo. Ele pode recuperar, muito rapidamente. A longo prazo, voltaremos à normalidade", referiu Zurab Pololikashvili à euronews.

Apenas 30% dos voos se realizam neste momento para as Canárias. Para este território insular, que depende principalmente do turismo, as ajudas são vitais. A correspondente da Euronews, Cristina Giner, explica que "o setor de turismo aguarda as decisões que serão tomadas no próximo Conselho Europeu, sobre planos de recuperação. Espera-se que Bruxelas entre com fundos importantes especialmente para regiões periféricas como as Canárias".