Última hora
This content is not available in your region

Comunidade internacional mostra-se solidária com o Líbano

euronews_icons_loading
Comunidade internacional mostra-se solidária com o Líbano
Direitos de autor  Hussein Malla/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

No Palácio Presidencial do Líbano fez-se um minuto de silêncio em homenagem às vítimas das violentas explosões que abalaram Beirute, fazendo mais de uma centena de mortos e mais de 4 mil feridos.

Esta quarta-feira começou a cumprir-se o primeiro de três dias de luto nacional.

O chefe de Estado, Michel Aoun, sublinhou que o impacto da tragédia é inimaginável: "Não há palavras para descrever o horror que atingiu Beirute, transformando a capital numa cidade atingida por um desastre."

O governador de Beirute fala em danos de mais de 3 mil milhões de euros.

De visita ao epicentro da explosão, que atingiu todo o porto de Beirute, mas também casas do centro e arredores, o antigo primeiro-ministro, Saad Hariri, garantiu que uma equipa de peritos internacionais ajudará nas investigações.

Enquanto isso, multiplicam-se as mensagens de apoio bem como os aviões que chegam com profissionais e ajuda médica.

O presidente francês, Emmanuel Macron, enviou bombeiros e estará na cidade na quinta-feira. O Qatar também fez chegar ajuda ao país. Da Grécia chegou uma mensagem de condolências, pela voz do primeiro-ministro, Kyriakos Mitsotakis: "Estamos preparados para ajudar com equipamento médico adicional. Penso que à medida que as horas e os dias avançarem estaremos em melhores condições de perceber a magnitude desta tragédia sem precedentes."

O Reino Unido também se manifestou disponível para apoiar, quer técnica quer financeiramente.

A economia libanesa já se encontrava de rastos e a situação foi agravada pela pandemia de Covid-19. O novo abalo promete réplicas que levarão tempo a controlar.