Motim e detenções no Mali

Motim e detenções no Mali
Direitos de autor Frank Franklin II/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved
De  Nara Madeira com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Motim e detenções no Mali. Presidente, primeiro-ministro e outros dirigentes governamentais foram detidos por um grupo de militares.

PUBLICIDADE

No Mali, Presidente, Primeiro-ministro e outros dirigentes governamentais foram detidos por um grupo de militares amotinados. 

Uma revolta, que veio do seio das Forças Armadas quando o país está mergulhado numa grave crise sociopolítica. 

Os soldados começaram a incursão em Kati, o mesmo quartel de onde surgiu uma revolta há mais de oito anos, detendo altas patentes militares.

As reações não se fizeram esperar. O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, adverte, através das redes sociais que um golpe de Estado "nunca é a solução para uma crise, por mais profunda que seja". Já o presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, condenou, "energicamente" as referidas detenções.

O chefe de Estado, Ibrahim Boubacar Keita, de 75 anos, está a ser pressionado, há vários meses, pela oposição, o Movimento 5 de Junho para abandonar o cargo. É acusado de gerir mal o aumento do poder de radicais islâmicos no país. 

Mediadores regionais chegaram a tentar que se criasse um governo de unidade nacional mas a oposição recusa trabalhar com Keita. 

A situação no país agravou-se quando os protestos em julho acabaram com, pelo menos, 11 pessoas mortas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU abandona Mali no momento em que os Wagner cimentam posição

Ressurgimento do terrorismo no Mali

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023