Última hora
This content is not available in your region

O orgulho da capitã Wendie Renard do Olympique Lyonnais

euronews_icons_loading
O orgulho da capitã Wendie Renard do Olympique Lyonnais
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Acaba de vencer 7ª Liga dos Campeões pelo Olympique Lyonnais. Hoje possui uma das maiores conquistas do futebol mundial e, aos 30 anos, não pretende parar por aqui. A capitã Wendie Renard é nossa convidada em estúdio.

Cyril Collot, euronews: Levantou a taça da Liga dos Campeões pela 5ª vez consecutiva, uma proeza que só foi conseguida pelo Real Madrid de Puskas, nos anos 50. Qual é a sensação de entrar um pouco mais na história do futebol mundial?

Igualámos esse recorde, mas agora queremos batê-lo! Queremos sempre ir mais longe. E é ainda mais difícil. Nesta temporada, sabemos o que fazer se quisermos bater esse recorde. Vai ser difícil porque estamos a ser cada vez mais pressionadas. Mas no Olympique Lyonnais, o leão continua a trabalhar.
Wendie Renard
Capitã do Olympique Lyonnais

Cyril Collot, euronews: O futebol feminino está em alta na Europa. O que é preciso fazer para permitir que se desenvolva a nível mundial?

Existem países que estão em muito mais dificuldades do que nós. Devido à sociedade. Nalgumas mentalidades e ideologias, não é aceitável ver uma mulher a jogar futebol ou a praticar desporto. Agora é uma questão de cultura. Mais uma vez, é uma questão de meios. Sem dinheiro, não se pode fazer nada. E quando ele existe é preciso saber colocá-lo no lugar certo. É sempre o mesmo círculo vicioso.
Wendie Renard
Capitã do Olympique Lyonnais

Cyril Collot, euronews: Está em destaque nos cinemas franceses com o lançamento do documentário: “As jogadoras não estão aqui para dançar”. É algo que demonstra o caminho que ainda falta percorrer para mudar todas as mentalidades?

Existem alguns momentos fortes no filme e ainda vemos o caminho que temos pela frente. Não queremos ocupar o lugar dos homens, não queremos ocupar o lugar de ninguém. Quando vencemos títulos, há que parar de dizer: "que é fácil ou que é muito mau". Este tipo de discurso deve ser banido. Cada pessoa tem o direito de pensar o que quiser, mas apenas pedimos um pouco de respeito, só isso já seria bom!
Wendie Renard
Capitã do Olympique Lyonnais