Última hora
This content is not available in your region

Negociações UE - Reino Unido: Capítulo 8

euronews_icons_loading
Negociações UE - Reino Unido: Capítulo 8
Direitos de autor  Olivier Hoslet/AP
Tamanho do texto Aa Aa

Pela oitava vez, os negociadores da União Europeia e Reino Unido vão tentar chegar a um acordo comercial pós-Brexit.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já disse que ou há entendimento até meio de outubro ou Londres abandona as negociações sem um acordo. Algo que Bruxelas diz querer evitar mas para o qual está preparada.

"Estamos determinados a chegar a um acordo com o Reino Unido, mas a União Europeia estará pronta no caso de um cenário de "não acordo"".
Daniel Ferrie
Porta-voz da Comissão Europeia para o Brexit

Downing Street vê o Brexit como uma oportunidade para a Grã-Bretanha retomar o controlo do seu dinheiro, fronteiras e leis. Mas, a União Europeia diz que o Reino Unido tem de seguir algumas das suas regras se quiser negociar com o bloco europeu.

Um exemplo são os auxílios estatais - Londres quer poder dar subsídios às empresas.

Bruxelas acredita que isso poderia dar às empresas britânicas uma vantagem injusta e prejudicar os concorrentes da União Europeia.

O analista politico, David Henig, do Centro Europeu para a Economia Política Internacional, explica que "se está a dar acesso preferencial a um grande mercado, como a União Europeia estaria a fazer, então quer ter a certeza de quem vai ter este acesso de que não subsidia as suas exportações. Isto é também contra as regras da Organização Mundial do Comércio, mas a OMC leva muito tempo a resolver estes casos".

As conversações também estão emaranhadas sobre onde se poderão lançar as redes de pesca.

Londres quer controlar quem pesca nas suas águas a partir do próximo ano, mas Bruxelas deseja que se mantenham os atuais acordos baseados em quotas. Embora a pesca valha apenas uma pequena fração do PIB britânico, é uma questão altamente simbólica.

"Desde Boris Johnson ao negociador principal David Frost, tivemos garantia após garantia de que a pesca está na lista de prioridades para este governo", revela Barrie Deas, da Federação Nacional de Organizações de Pescadores.

Os dois lados dizem estar prontos para fazer algumas concessões, e a UE é conhecida por fazer acordos de última hora

No ano passado, Boris Johnson prometeu aos eleitores um acordo de retirada pronto a ir para o forno durante a campanha eleitoral. Mas as alterações planeadas poderiam representar um um assado queimado para o governo britânico.

Com o ano a acabar, aumenta o calor para Londres e Bruxelas para chegarem a um acordo comercial, se é que tal é possível.