Última hora
This content is not available in your region

Brexit: Continua o desacordo entre Londres e Bruxelas

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Brexit: Continua o desacordo entre Londres e Bruxelas
Direitos de autor  Διαπραγματευτής ΕΕ
Tamanho do texto Aa Aa

Frustração é a expressão que caracteriza o final da sétima ronda de conversações entre a União Europeia e o Reino Unido para o acordo comercial do pós Brexit.

O negociador europeu, Michel Barnier, fala mesmo em desperdício de tempo: "Demasiadas vezes esta semana sentiu-se como se estivéssemos a andar mais para trás do que para a frente. Dado o pouco tempo que resta, o que disse em Londres, em Julho, continua a ser verdade: hoje, nesta fase, um acordo entre o Reino Unido e a União Europeia parece improvável. Simplesmente não compreendo porque estamos a desperdiçar tempo valioso".

Michel Barnier manifestou ainda as suas preocupações numa mensagen no Twitter:

O negociador britânico, David Frost, por seu turno, diz que "a UE ainda insiste não apenas em que o Reino Unido deve aceitar a continuidade dos auxílios estatais e da política de pescas da UE, mas também que isso deve ser acordado antes que qualquer outro trabalho substantivo possa ser feito em qualquer outra área da negociação".

No Twitter, David Frost deixou também os seus comentários:

Bruxelas mantém a exigência, entre outras, do acesso de barcos de pesca europeus às águas britânicas e quer garantir que ambas as partes tenham regras semelhantes sobre uma vasta gama de questões, incluindo os direitos dos trabalhadores, o ambiente e os subsídios governamentais, antes de discutir tal acordo.

Tanto Londres como Bruxelas dizem querer evitar o cenário de não acordo, por todas as restrições comerciais e taxas que isso implicaria.

Do lado britânico diz-se que o acordo ainda é possível antes do fim do período de transição.

As negociações são retomadas no dia 7 de setembro, em Londres.

O tempo está a esgotar-se. Se não houver acordo que entre em vigor a 1 de janeiro de 2021 passam a aplicar-se as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), que implicam, entre outros, controlos e direitos aduaneiros.