EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Protestos contra Lukashenko passam "ponto de não retorno"

Líder da oposição bielorrussa Svetlana Tikhanovskaia com o primeiro-ministro polaco
Líder da oposição bielorrussa Svetlana Tikhanovskaia com o primeiro-ministro polaco Direitos de autor Monika Scislowska/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Monika Scislowska/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Regime bielorrusso deteve mais uma figura proeminente da oposição

PUBLICIDADE

Não há volta atrás nos protestos que duram há um mês na Bielorrússia, que prometem continuar. É esta a mensagem dos opositores ao regime de Alexander Lukashenko, apesar da campanha do poder para tentar silenciar as principais figuras da oposição.

A rival de Lukashenko nas presidenciais de agosto foi recebida esta quarta-feira em Varsóvia pelo primeiro-ministro polaco.

Svetlana Tikhanovskaia, líder da oposição bielorrussa:"Ultrapassámos o ponto de não retorno, num momento de grande violência que a nossa a população pacífica enfrentou a 9, 10 e 11 de agosto, quando foi apanhada nas ruas, posta na cadeia e duramente torturada."

Svetlana Tikhanovskaia reuniu-se com membros da diáspora na recentemente inaugurada Casa Bielorrussa, edifício doado pela Polónia, recebendo pela ocasião a chave da instituição das mãos do chefe do governo polaco.

Maria Kolesnikova, uma das figuras proeminentes do Concelho de Coordenação, criado pela oposição para facilitar a transição de poder no país, está, segundo o pai, detida em Minsk. 

Kolesnikova tinha sido detida na segunda-feira na capital bielorrussa e transportada para a fronteira com a Ucrânia, onde terá rasgado o passaporte para impedir a expulsão para o país vizinho.

Esta quarta-feira, as autoridades detiveram o advogado Maxim Znak, também membro do Concelho de Coordenação. 

O único elemento do organismo ainda em liberdade é a prémio Nobel da Literatura de 2015, Svetlana Alexievich.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia

Prisioneiro político bielorrusso morre por alegada falta de cuidados médicos

Lukashenko afirma que Putin não lhe disse nada sobre a guerra com a Ucrânia