Buraco de ozono na Antártida nos piores níveis dos últimos 15 anos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Buraco de ozono na Antártida nos piores níveis dos últimos 15 anos
Direitos de autor  AP/AP

A dimensão e profundidade do buraco de ozono sobre a Antártida atingiram um dos maiores níveis dos últimos 15 anos.

O Serviço de Monitorização Atmosférica do programa europeu Copérnico detetou valores próximos do zero numa vasta área sob a camada situada entre os 20 e os 30 quilómetros de altitude. Isto apesar das medidas concretas que os especialistas vêm agora relembrar.

"O Protocolo de Montreal, que começou a erradicar as substâncias que consomem o ozono, é um dos melhores tratados ambientais de sempre. Mas não podemos é ser complacentes", declarou Clare Nullis, porta-voz da Organização Mundial de Meteorologia.

O Protocolo de Montreal foi assinado em 1987 para preservar a camada de proteção da radiação ultravioleta sobre a Terra, nomeadamente restringindo o uso dos compostos químicos CFC em aerossóis e aparelhos de ar condicionado.

Se este e outros compromissos internacionais forem levados avante, a camada de ozono poderá recuperar em 2060 os níveis da década de 80.