Última hora
This content is not available in your region

Covid põe clubes de futebol em apuros económicos

euronews_icons_loading
Leyton Orient FC
Leyton Orient FC   -   Direitos de autor  Nigel French/PA Wire
Tamanho do texto Aa Aa

Com os estádios fechados aos adeptos devido às restrições no combate ao coronavírus, muitos clubes de futebol da Liga Dois no Reino Unido acusam uma crescente falta de liquidez.

Muitos são os dirigentes que dizem que, se o governo não agir avançando com apoios, vários clubes poderão mesmo desaparecer.

Nigel Travis, presidente do Leyton Orient:"Penso que há clubes que vão fechar as portas. Basta olhar para alguns números: se analisarmos o nosso orçamento inicial para este ano, só em dias de jogos, pelo facto de não haver plateia, perdemos 900.000 libras. Simplesmente pelo facto de não haver pessoas nas bancadas. (...) Se olharmos para o resto dos dias, quando alugariamos espaços no estádio, perdemos 250.000 libras. São números grandes. E é preciso lembrar que estamos a pagar muito dinheiro para respeitar todos os protocolos da Covid. Há dez dias fomos a um jogo, com dois treinadores, pagámos um quarto separado para cada jogador... Foram 7000 libras, quando normalmente nos teria custado metade disso."

Angela Barnes, euronews:"A Premier League diz que ainda vai disponibilizar um pacote de resgate para os clubes da Liga Um e da Liga Dois, composto por bolsas e empréstimos sem juros num total de 50 milhões de libras, para além dos pagamentos já avançados este ano. Mas será suficiente para salvar esses clubes?"

Paul Lambert, presidente do Ipswich Town FC:"Precisamos de seguir todos a mesma pauta para que isto funcione, para que as coisas avancem. Não conheço todos os aspetos financeiros, mas para mim 50 milhões distribuídos pela Liga Um e pela Liga Dois não será de perto nem de longe suficiente."

O problema não é exclusivo dos clubes britânicos: com restrições semelhantes por toda a Europa, muitos são os clubes de futebol de outros países - e não apenas de divisões inferiores como mesmo na primeira divisão - que acusam situações financeiras cada vez mais problemáticas.