Polacos contra novas restrições à circulação

Polacos contra novas restrições à circulação
Direitos de autor AP Photo/Czarek Sokolowski
De  Teresa BizarroMagdalena Chodownik
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O país bateu recorde de novas infeções de Covid-19, mas milhares de pessoas contesta o endurecimento das medidas de prevenção da doença

PUBLICIDADE

Desafiando a proibição do governo, milhares de pessoas saíram à rua este sábado na Polónia para contestar as restrições à circulação por causa da Covid-19. Empresários, adeptos de futebol e descrentes da pandemia juntaram-se em Varsóvia

O executivo proibiu reuniões em público com mais de 5 pessoas e os confrontos com a polícia não tardaram. Mas quem tem negócios diz que tem na rua a única forma de se queixar.

Paweł Tanajno, pequeno empresário,  considera que a atual sutação é "trágica". "Vais dizer aos teus clientes: fique em casa; está em perigo; use máscara. A procura desce imediatamente," afirma.

A acompanhar a tendência na Europa, a situação agravou-se esta semana na Polónia. O número de novos casos diários ultrapassou os 13 mil. 

4 em cada 100 doentes de covid-19 na Polónia morre. Com uma taxa de mortalidade tão elevada, o governo decidiu endureceu as restrições.

"Por causa do aumento do número de casos foram tomadas medidas adicionais para limitar a transmissão do vírus. Os estabelecimentos de restauração foram encerrados e as reuniões públicas limitadas a 5 pessoas," justificou à Euronews Jan Bondar, porta-voz da Autoridade polaca de Saúde.

Os especialistas consideram que se as novas restrições forem cumpridas é possível travar a doença.

Para o infecciologista Paweł Grzesiowski "o que mais preocupa são as 500 a 700 pessoas que vão parar ao hospital todos os dias".  Diz que estes novos casos "são apenas a ponta do icebergue", mas acredita que se a população for "tão disciplinada como em Março e Abril", é possível "achatar a curva em duas semanas".

Este sábado, no dia em que o país bateu o recorde de novas infeções e mortes, o presidente polaco anunciou estar também infetado. Andrej Duda diz sentir-se bem e sem sintomas, apesar do diagnóstico. Pede desculpa a todos com quem esteve durante a semana e que vão agora ter de cumprir quarentena.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos na Polónia após proibição do aborto por malformação do feto

Parlamento polaco investiga utilização do software Pegasus

Agricultores polacos prometem continuar protestos na fronteira com a Ucrânia