Conservadores vencem legislativas na Lituânia

Conservadores vencem legislativas na Lituânia
Direitos de autor Mindaugas Kulbis/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

União Cristã-Democrata Lituana vence segunda volta das eleições parlamentares no país. Ingrida Simonyte procura agora parceiros para uma coligação governativa

PUBLICIDADE

A Lituânia virou à direita.

O partido conservador União Cristã-Democrata Lituana venceu as eleições legislativas, após a segunda volta, este domingo.

A União Cristã-Democrata Lituana conquistou 50 dos 141 assentos do Parlamento.

O líder, Gabrielius Landsbergis, afirmou que os eleitores "queriam uma abordagem à política diferente da que vimos nos últimos anos". O conservador disse, ainda, que o partido está recetivo a formar uma coligação com os dois partidos liberais.

A antiga ministra das Finanças, Ingrida Simonyte, irá iniciar agora as negociações para tentar criar uma coligação governativa.

Ausrine Armonaite, líder do Partido da Liberdade, que conquistou 11 assentos no Parlamento, afirmou que um dos objetivos da próxima legislatura é conseguir com que "os parceiros do mesmo sexo possam oficialmente envolver-se em relações familiares".

Já o partido do primeiro-ministro Saulius Skvernelis, a União de Agricultores e Verdes, ficou aquém das expectativas conquistando 32 lugares na Assembleia Nacional.

A participação eleitoral rondou os 40%, nesta segunda volta, abaixo dos 47% de afluência da primeira volta.

O novo Executivo não terá uma tarefa fácil pois terá o desafio de equilibrar o desenvolvimento económico do país, fazer baixar a elevada taxa de desemprego agravada pela Covid-19 e implementar mais medidas restritivas para combater a proliferação da pandemia causada pelo novo coronavírus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Irão realiza eleições parlamentares na sexta-feira

Parlamento Europeu apela a investigação independente às eleições na Sérvia

Sérvia atrai investimento europeu apesar de boas relações com Moscovo e Pequim